Rapidinhas

Rapidinhas – O dilema tucano

No plano nacional, o ex-presidente Itamar Franco deverá se filiar ao PPS e voltar à cena politica, enquanto Serra e Aécio seguem indefinidos. Na Bahia, planos para 2010.

Itamar vai para o PPS

O ex-presidente da República e ex-governador de Minas Gerais, Itamar Franco, acertou a sua filiação ao PPS. Itamar assinará a ficha até dia 6 de julho, com festa em Belo Horizonte. O ex-presidente poderá ser candidato ao Senado, com apoio do governador Aécio Neves.

O acordo foi selado na semana passada. Enigmático, Itamar não gosta de falar sobre o seu futuro, mas há quem avalie que ele passa a ser uma grande opção para compor a chapa presidencial da oposição, principalmente se o escolhido dos tucanos for o governador José Serra. Como Itamar é muito amigo de Aécio, a decisão representaria a presença de um mineiro na chapa, o segundo maior colégio eleitoral do país.

A candidatura do ex-presidente ao Senado aconteceria apenas se Aécio for o escolhido pelo PSDB para disputar a presidência da República em 2010. É, sem dúvida, uma grande sacada. Não custa lembrar que foi no governo de Itamar que foi criado o Plano Real, que estabilizou a nossa economia e possibilitou a consolidação do Brasil entre os principais países em desenvolvimento no cenário mundial.    

A peleja tucana entre Serra e Aécio

A cúpula do PSDB tem uma certeza para o futuro do partido, no que concerne à candidatura presidencial: sem Minas ou São Paulo, dois dos maiores colégios eleitorais do país, não há como tocar uma campanha. Daí o esforço de unir cada vez mais os governadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP). E quem tem feito isso é o presidente da legenda, Sérgio Guerra (PE), por meio de interlocutores. Mas o PSDB também convive com uma verdade incômoda em suas hostes, o trunfo de cada pré-candidato. Serra bate pé pelo consenso em torno das pesquisas. É de fato o nome mais forte, hoje. Aécio, além de rodar o país, vai mostrar uma fatura lá na frente: tem PDT, PSB, PTB, PP e boa parte do PMDB com ele. O PSDB terá muito mais que prévias pelo caminho da conciliação.

TSE responde consulta sobre fidelidade partidária

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou, na sessão administrativa desta terça-feira (9), que não incorre em infidelidade partidária o político que se desfiliar de partido pelo qual não foi eleito. Para isto, o titular do mandato deve ter se desligado da legenda pela qual se elegeu antes de 27 de março de 2007, data limite definida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para a desfiliação partidária sem a obrigatoriedade de apresentação de justa causa pelo político. Dessa forma, o  TSE respondeu à consulta do deputado federal Valtenir Luiz Pereira (PSB-MT). Os ministros da Corte acolheram por unanimidade o voto do relator da consulta, ministro Joaquim Barbosa.

 

Nova minirreforma eleitoral

Reunidos esta semana no gabinete da Presidência da Câmara, representantes de todos os partidos debruçaram-se sobre um anteprojeto pedido por Michel Temer e tocado por Flávio Dino (PCdoB-MA), com a colaboração da turma. Trata-se da nova minirreforma eleitoral (já que a reforma política não sairá) que irá ao plenário de imediato, em consenso. O texto preliminar, de 10 páginas, não traz grandes novidades. É uma reforma mais para o eleitor. E dá um aperto no TSE: acrescentam ao artigo 16 da Lei 9.504/97 a determinação de que o Tribunal deve julgar todos os pedidos de registro de candidatos, inclusive os impugnados, antes da eleição.

Alguns pontos da minirreforma

Fica proibido veiculação de propaganda em “árvores e jardins em áreas públicas”; e também a “colocação de bonecos cartazes e cavaletes” nas ruas; o eleitor, ou cabo eleitoral, não poderá mais usar camisa de propaganda no dia da votação. Só broches ou adesivos; o candidato a qualquer cargo fica proibido de subir em palanque de inaugurações de obras nos três meses que antecedem o pleito. Os deputados consentiram com tudo, exceto no ponto sobre a divulgação de campanha pela internet, rádio e TV. Um artigo diz que não será crime a aparição ampla e irrestrita, desde que não peçam votos.

 

Deputados mais votados em 2010

Muito provavelmente os candidatos a deputado federal mais bem votados em Vitória da Conquista em 2010 serão o atual líder do governo Wagner, Waldenor Pereira (PT), o ex-deputado Coriolano Sales (que poderá ser candidato pelo PR ou PMDB), e ACM Neto (Democratas). Correndo por fora está o radialista e ex-candidato a prefeito Herzem Gusmão (PSDB), que em 2008 obteve 43.159 votos para prefeito. Segundo informações, Herzem poderá ser o coordenador da campanha de José Serra (PSDB) na região Sudoeste. Se isso se confirmar, ele terá grandes possibilidades de ser eleito.

Coriolano Sales pode se filiar ao PMDB

Tudo indica que o controle do PMDB de Vitória da Conquista ficará com o ex-deputado federal Coriolano Sales. Foi Geraldo Botelho, muito ligado a Coriolano, que representou o PMDB de Vitória da Conquista no Encontro Regional do partido, realizado em Itapetinga recentemente——————————–—–

Prefeito está de licença

O prefeito eleito de Ichu, Carlos Santiago (PSC), continua licenciado do cargo, provavelmente até dezembro deste ano. Em seu lugar quem assumiu o comando do município desde janeiro foi Renato Adelino Almeida.

 

Tensão no PPS de Itabuna

Depois de Salvador, agora é o PPS de Itabuna que está em crise. A tensão tende a aumentar ainda mais esta semana. A notícia é de que não vai ficar barato a ‘arapuca’ armada pelo vereador e presidente da Câmara Municipal, Clóvis Loiola, para a atual dirigente do partido, Mariana Alcântara.

Loiola foi a Salvador e tentou com o presidente estadual da legenda, George Gurgel, assumir o comando do partido em Itabuna. Não obteve êxito e ainda uniu os filiados locais, que se posicionaram contra ele e a favor de Mariana, filha do histórico Anísio Alcântara, a quem é creditado o crescimento da legenda no sul da Bahia.

Como resposta, a legenda realizou congresso há mais de uma semana em Salvador e decidiu que o candidato a deputado estadual do PPS na região será César Brandão, ex-vice-presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna. Loiola acabou preterido também nessa disputa, pois pleiteava disputar uma vaga na Assembléia Legislativa baiana, idéia que morreu no nascedouro.

Raimundo Veloso pode desistir de reeleição

Muito dificilmente o deputado federal Raimundo Veloso (PMDB), será candidato a reeleição em 2010. Informações dão conta de que o deputado está enfrentando alguns problemas de saúde. Em função disso, Veloso está trabalhando o nome do seu filho, Márcio Veloso. A princípio, está em plano uma candidatura a deputado estadual, mas não está descartado ele disputar uma vaga para a Câmara Federal.

Roland Lavigne pode estar deixando a política

O comentário nos bastidores políticos de Ilhéus é que o ex-deputado federal Roland Lavigne, desistiu de vez da política. Roland exerceu três mandatos como deputado federal, mas, após romper com o “carlisno” em 2001, vem acumulando derrotas, e desde então não conseguiu mais ser eleito. Em 2007, ele chegou a ser nomeado Secretário de Saúde de Ilhéus pelo então prefeito Valderico Reis, mas nem tomou posse, já que o prefeito foi “afastado” logo em seguida.

 

Luiz Argolo em Brasília?

O deputado estadual Luiz Argolo (PP), com base eleitoral em Entre Rios, pode tentar um vôo mais alto nas eleições de 2010. Os comentários são cada vez mais fortes de que ele poderá disputar uma vaga na Câmara Federal. Bem votado no Litoral Norte e Sertão, Argolo não confirma, mas deixa em aberto a opção que vai escolher.

To Top
%d blogueiros gostam disto: