Política

Vereadores denunciam abondono de Várzea da Roça

Os vereadores afirmam que não existe delegado, a cidade sofre com a ação de bandidos e aumentou sensivelmente o número de assassinatos no município. “Contamos apenas com um agente da Polícia Civil e dois Policiais Militares por plantão para um município com mais de 15 mil habitantes, sem contar que ainda temos oito distritos”, dizem. “O clima é de insegurança total e não temos a quem recorrer a não ser a proteção de Deus, porque o homem que administra Várzea da Roça parece que esqueceu do povo”, denunciam.

Na saúde, o único hospital da cidade foi fechado pelo prefeito Lourivaldo Souza Filho no início de janeiro de 2009 e os pacientes precisam se deslocar para Mairi e outros municípios vizinhos, cujas estruturas nas unidades hospitalares são insuficientes para o atendimento da população varzeana, sem contar com o desperdício de dinheiro público, com ambulâncias e outros veículos fretados para transportar as pessoas para as outras localidades. Esta semana e após denúncias ao MP foram iniciadas obras de reforma em um dos anexos do hospital municipal João Sales Rios, não sendo sabido o prazo para o término dos trabalhos, isto é, para camuflar e não para resolver, afirmam.

Eles denunciaram ainda que um médico e um dentista contratados através do Programa Saúde da Família para atuar no distrito de Várzea do Meio nunca apareceram para trabalhar, apesar dos nomes deles estarem cadastrados no SUS e constar na folha de pagamento da Prefeitura. O município presta contas ainda de um gasto mensal de R$12,5 mil mensais com transporte de pacientes para Salvador e Feira de Santana, sendo que R$ 8 mil são pagos pelo transporte das pessoas para a capital e o restante para Feira de Santana. Nas prestações de contas não existem os nomes dos pacientes que utilizam este serviço no município de Várzea da Roça. “Até hoje, temos conhecimento de que poucos pacientes foram transportados para a cidade de Feira de Santana, na verdade são três pessoas que fazem hemodiálise três vezes por semana e nada mais”, denunciam os vereadores.

Gastos absurdos

Os representantes do município ainda declararam que os gastos da prefeitura na gestão Lourivaldo Souza Filho são absurdos: a coleta de lixo passou de cerca de R$17 mil mensais para aproximadamente R$ 70 mil mensais; o transporte escolar de mais ou menos 1,2 mil estudantes da zona rural subiu de R$ 40 mil mensais em 2008 para R$ 153 mil mensais em 2009. Toda a rede pública atende aproximadamente 5,6 mil alunos da pré-escola ao ensino fundamental (o ensino médio existe em uma escola estadual), os preços foram majorados absurdamente, denunciaram. Enquanto isso, eles alegam que algumas escolas municipais, a exemplo da José Carneiro de Oliveira e da Getúlio Vargas ficaram sem professores até as férias do meio do ano. No distrito de Várzea do Meio, um imóvel residencial foi alugado e transformado em salas de aulas sem as condições mínimas necessárias para o atendimento aos alunos, inclusive colocando em risco as vidas das crianças, pois existe no local uma cisterna coberta com telha de amianto, afirmaram.

Hoje, muitos comerciantes de Várzea da Roça, estão sofrendo pela falta de clientes, isto porque o prefeito deixou de movimentar o dinheiro da prefeitura na própria cidade, centralizando a distribuição de renda entre poucos, passando a contratar empresas em cidades distantes e que são mais difíceis de serem fiscalizadas, alegam os vereadores. As poucas compras efetuadas na cidade são direcionadas a duas ou três empresas. Várzea da Roça é uma cidade pobre, mas temos hoje vários carros e motos de luxo circulando pelas ruas e sendo usados por prestadores de serviços da prefeitura e por pessoas intimamente ligadas ao atual prefeito. O gabinete do prefeito, por exemplo, paga R$ 4,7 mil no aluguel de um pick-up Hilux de luxo, enquanto a população e os alunos são transportados em carros velhos.
Nos quatro primeiros meses da atual administração, sem explicar os motivos, o prefeito baixou dois decretos emergenciais, elevou os gastos sem comprovação e sem realizar licitações, causando um enorme dano ao erário público.

Até mesmo o salário dos servidores, para ser pago foi necessário recorrer à Justiça. Segundo os vereadores, em janeiro último o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, ingressou com uma ação na Justiça para que a prefeitura pagasse os salários atrasados. O juiz substituto da Comarca de Mairi, Dr. André Dias determinou o bloqueio de R$ 69 mil da conta da prefeitura no Banco do Brasil e ordenou o pagamento dos vencimentos dos servidores.
Vários servidores municipais e pessoas da comunidade “que não votaram no atual gestor” vêm sofrendo com a prática da perseguição pela atual administração, existindo sempre as ameaças de demissão e de prisão para aqueles que não cumprirem o que for determinado por ele ou sua equipe. Parece que estamos vivendo em um regime ditatorial em pleno século XXI, dentro de um País democrático de direito e de fato, dizem.

O prefeito declara abertamente que seus opositores sofrerão as conseqüências e, segundo ele, se pisarem no seu calo irá reagir energicamente e que vai fazer o que bem quiser. Sabe-se lá como será este energicamente. Sabemos que o prefeito Lourivaldo Filho, sairá ao término deste mandato, ou antes, mais o nosso receio é que, quando ele deixar a prefeitura, não vá restar mais nada de Várzea da Roça, porque ele está destruindo tudo o que foi construído com esforço e muito trabalho dos varzeanos, concluíram.

To Top
%d blogueiros gostam disto: