História

Caetité – Patrícia Pillar lança filme sobre Waldick Soriano e rouba a cena

O município de Caetité, a 757 quilômetros de Salvador, recebeu na semana passada a presença da atriz Patrícia Pillar, que veio do Rio de Janeiro para rodar o filme sobre o cantor Waldick Soriano – "Waldick – sempre no meu coração" – na terra onde ele nasceu. Leia abaixo matéria especial sobre a visita.

Já era a quinta ou sexta pergunta que começava exatamente do mesmo jeito. “Oi, Patrícia. Eu também gostaria de dizer, como cidadão caetiteense, que é um orgulho para a nossa cidade poder contar aqui com a presença ilustre da maior atriz brasileira dos tempos de agora. Uma das maiores. O que eu queria saber era se…”.

A dúvida era o de menos. O que importava de fato para aqueles jornalistas, e isso eles deixavam escapar em cada tremida nervosa de voz, era fazer o tal agradecimento.

Diretora do filme “Waldick Soriano – Sempre no Meu Coração”, ela, “a maior atriz brasileira dos tempos de agora”, estava incluindo a desconhecida Caetité no mapa do Brasil. Era mais ou menos isso o que eles queriam dizer. Ver documentada em filme a história do filho mais famoso daquela terra fazia com que cada um ali se sentisse também lembrado, representado, importante, vivo. E isso fazia um bem danado para a autoestima da cidade toda.

Era uma noite gelada de quinta-feira, 13 de agosto último. Estavam, os jornalistas e Patrícia Pillar, em uma coletiva de imprensa no anfiteatro da Casa Anísio Teixeira, no Centro de Caetité. Para chegar ali, a atriz/diretora teve que viajar por quase 12 horas.

Primeiro, um voo do Rio, onde mora, a Salvador. Depois, outro, em avião de 30 lugares, até Vitória da Conquista, interior da Bahia. Por fim, enfrentou mais de quatro horas em uma van numa estrada tão esburacada que o velocímetro não ultrapassava os 30 km/h.

A viagem sofrida tinha um sentido emocional. Depois de algumas exibições em festivais e em canais de TV a cabo, seu filme sobre Waldick Soriano (1933-2008) finalmente ganharia os cinemas  – mas só os de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Fortaleza. Nada mais justo que a cidade do documentado fosse a escolhida para a pré-estreia, em sessão ao ar livre na Praça da Catedral.

“Não sei quantas pessoas vieram, não. A gente estava cuidando aqui, mas não conseguiu contar”, comentava um policial, pouco antes da projeção. Seu colega dava o palpite: “Pelo que eu vejo, tem aqui umas 6 mil pessoas, porque a praça está bem lotadona”.

Se o chute do policial estava mesmo certo, mais de 10% da cidade – Caetité tem aproximadamente 50 mil habitantes – haviam baixado ali para ver o filme. O filme? “Patrícia, cadê você, eu vim aqui só pra te ver!”, parecia ser esta a realidade.

Quem puxava o coro, que repercutia em toda a praça, era o grupo de meninas que chegou bem cedo para ficar mais perto do palco. “A gente queria tirar uma foto com a Flora, me leva lá?”, pedia uma delas, mostrando a câmera digital e cartazes com a foto da atriz, a quem quer que tivesse alguma pinta de estar envolvido com o evento. Flora, no caso, é o nome da vilã interpretada por Pillar na última novela das oito.

Depois de um pequeno discurso da diretora, que, tímida, resumiu sua relação com Waldick e “os mistérios que rondaram nossos silêncios e eu nunca quis quebrar”, o vozeirão do cantor toma a praça, enquanto sua imagem surge na tela – redonda – lá no alto.

O coro foi murchando, as câmeras entraram nas bolsas, as fotos de Flora foram para o chão. Caetité fez silêncio. Era hora de se assistir no cinema.

Filme sobre Waldick Soriano estreará em SP

 

Patrícia Pillar não imaginava que o filme “Waldick – Sempre no Meu Coração” fosse um dia entrar em cartaz. Gravado em digital, o filme já foi exibido em dois canais de TV a cabo e, para a diretora, sua função estava cumprida.

Mas a boa receptividade alcançada nos festivais de cinema onde foi mostrado fez com que sua carreira se ampliasse. Em cartaz em Salvador desde sexta-feira passada (21), o filme ganha as telas paulistanas e cariocas a partir do dia 28 deste mês.

Segundo a diretora, só agora, no cinema, o público-alvo de Waldick – que não tem acesso à TV a cabo – vai poder assistir ao trabalho.

Com informe da Folha Online

To Top
%d blogueiros gostam disto: