Política

Pesquisa revela prioridades dos prefeitos brasileiros

Educação, Saúde e Geração de emprego encabeçam a lista de prioridades. Mas diferenças são apontadas entre gestores iniciantes e reeleitos. Prefeitos e prefeitas também possuem diferenças.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) expôs 227 prefeitos a uma lista de 15 prioridades para a administração pública. Os resultados mostram as preocupações dos reeleitos, dos novos gestores, pontos semelhantes e divergentes entre as regiões, e as diferenças de conceito entre mulheres e homens. A pesquisa da entidade foi feita com base na Escala de Likert, onde os pesquisados julgaram de 1 a 5 o nível de importância de cada setor da gestão pública municipal.

Saúde, Educação e Geração de emprego e renda lideram o ranking de interesse dos governos. Tanto os novatos quanto os veteranos no comando das prefeituras consideram estes setores como os mais relevantes. Lembrando que, para os dois primeiros, há perante à Constituição a obrigatoriedade de investimentos: 15% para Saúde e 25% na Educação. Itens como Indústria e Trânsito estão nas últimas posições em quase todas as avaliações.

A pesquisa da Confederação buscou entender também as prioridades de cada região brasileira. Neste caso específico, Educação, Saúde e Geração de renda continuam ocupando os primeiros lugares no ranking, com ênfase no Norte, Nordeste e Centro-Oeste do País. O motivo é que, nestas regiões, os cálculos do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) são menores em comparação ao Sudeste e Sul.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, destaca que cada região tem uma peculiaridade. Para os gestores municipais do Sul e do Norte, a Agricultura tem grande importância, com média de 4,38 e 4,71. O Nordeste busca valorizar mais a Segurança Pública. Gestores do Centro–Oeste e do Sudeste dedicam-se mais ao Meio Ambiente. Porém, todos os eles apresentam um ponto em comum: o Assistencialismo aparece nas primeiras posições do ranking.

Discrepâncias entre tempo de administração e gêneros – Quando as questões foram aplicadas em comparação a prefeitos reeleitos e aqueles que cumprem o 1º mandato, há grandes diferenças entre as prioridades. Para os gestores com mais tempo à frente das prefeituras e, consequentemente, experientes sobre a realidade local, as áreas Saneamento e Segurança ganham um pouco mais de importância. Ao contrário desta avaliação, os novos gestores devem aumentar os investimentos em Assitência Social, Agricultura e Tecnologia, deixando a Segurança, por exemplo, abaixo destes itens, em décimo terceiro lugar.

O resultado das respostas de prefeitos e prefeitas é outra curiosidade revelada pela pesquisa da CNM. Dentre o total de pesquisados, 21 eram mulheres. Para elas, o bem estar da comunidade está em primeiro lugar, e, portanto, a Geração de emprego e renda está à frente, inclusive, de Saúde e Educação. Julgamento oposto ao dos 206 homens entrevistados, que priorizam os setores com porcentual de aplicação definido em lei – como Saúde e Educação.

Enquanto para as prefeitas o Assistencialismo alcança média de 4,74, para os prefeitos isso chega a apenas 4,43. No quesito Educação, a diferença é de duas posições. Os homens colocam o setor em segundo lugar, atrás de Saúde, enquanto as mulheres derrubam esse setor para a quarta posição.

Fonte: CNM

To Top
%d blogueiros gostam disto: