Educação

Servidores de Riachão prometem nova manifestação nesta quarta-feira

Depois de promoveram uma vitoriosa paralisação no último dia 30, cobrando do prefeito Lauro Falcão o pagamento da Progressão Funcional, os servidores municipais de Riachão do Jacuípe prometem uma nova manifestação para esta quarta-feira.

Em reunião, os servidores determinaram a realização de uma nova manifestação nesta quarta feira (07) para continuar a luta pela Progressão. A concentração será na sede do Sindicato, a partir das 8h da manhã. De lá, os servidores se dirigirão com lençóis e colchões para a Prefeitura, e sairão do local apenas quando a diretoria sindical for convocada para negociar. 

A direção do SINSPUM alerta que o prefeito concedeu entrevistas em algumas rádios locais e afirmou que um agente de limpeza recebe um salário de R$ 890,00, o professor possui salários que variam de R$1.200 a R$2.600. “Covardemente,  ele garantiu que os funcionários do  município estão ganhando muito bem e não precisam de aumento de salários”.  

Manifestação vitoriosa

 

No último dia 30 de setembro, os servidores conseguiram mobilizar uma passeata que percorreu as principais ruas da cidade até a Prefeitura, onde  permaneceram por todo o dia.

Os servidores, gritando palavras de ordem, exigiam uma posição do poder público municipal quanto ao descumprimento da Progressão Funcional, conforme ficou definido em ata na última negociação entre a prefeitura, o SINSPUM, a Central Única dos Trabalhadores-CUT, e a FETRAMEB, em abril deste ano.

Como de costume, não havia secretários na prefeitura que pudessem passar aos servidores uma posição a respeito das reivindicações e o prefeito Lauro Falcão, mais uma vez, não se encontrava na cidade.

Depois que os servidores passaram o dia fazendo suas atividades reivindicatórias na porta da prefeitura, o gestor, num ato de desrespeito com os interesses trabalhistas de todos os funcionários públicos jacuipenses, comunicou, por meio do assessor Jurídico do município, que não iria realizar a Progressão dos professores, alegando falta de dinheiro.

Essa “justificativa” contrariou alguns secretários do município, que afirmaram extra-oficialmente que a prefeitura tem condições financeiras de realizar essas garantias trabalhistas asseguradas por Lei. O fato também soa estranho em razão do quadro de mordomia reinante na cidade, onde o prefeito esbanja carros de luxo, além das centenas de contratações eleitoreiras feitas no período da eleição, quando não faltou dinheiro para nada.    

Prefeito tenta desmobilizar movimento

Usando táticas ultrapassadas, a prefeito tentou desmobilizar os servidores. Numa política escancarada contra o SINSPUM, Lauro Falcão chamou ao seu gabinete membros do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia-APLB para que estes respaldassem as suas ações.

Vendo a APLB como possível aliada, dentre outras promessas, o prefeito assegurou que realizaria a Progressão apenas dos professores, como forma de barrar o movimento do SINSPUM.

Mas a grande maioria dos docentes encontra-se filiada ao SINSPUM. Portanto, quando o prefeito convoca a cúpula da APLB para discutir assuntos referentes à classe docente, além de um gesto antidemocrático, Lauro Falcão “dá as costas” aos professores filiados à Entidade.

“As decisões do SINSPUM não são tomadas em cúpulas, mas em assembléias com a participação de todos filiados. É importante lembrar que o Sindicato dos Servidores representa todo o funcionalismo do município e não apenas a classe docente. A diretoria do SINSPUM luta pelo direito de todos os servidores, pois não é apenas a classe dos professores que necessita de garantias trabalhistas”, disse Maria Rios, presidente do Sindicato.

To Top
%d blogueiros gostam disto: