Política

MPF quer a prisão de Jânio Natal

Esquema que envolvia 12 pessoas tinha como destinatário final o ex-prefeito. Grupou desviou e se apropriou de R$ 849 mil vindos do SUS.

O Ministério Público Federal (MPF) em Eunápolis ofereceu denúncia à Justiça Federal contra 12 pessoas envolvidas em um esquema de contratação de servidores fantasmas para a prefeitura de Porto Seguro.

O ex-prefeito Jânio Natal, o ex-secretário de Saúde Eudes Piau de Faria e a ex-gerente de Recursos Humanos, Maria Helena Oliveira Ferreira Santos, foram denunciados por apropriação de verbas públicas federais e formação de quadrilha.

Mais nove pessoas respondem à ação penal por participar do esquema que resultou em um prejuízo de cerca de R$ 849 mil aos cofres públicos. Entre junho de 2006 e junho de 2008, o grupo apropriou-se de verbas federais.

Repassadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para o programa Saúde da Família (PSF), elas foram desviadas através da contratação falsa de médicos e dentistas. O esquema foi montado em 2006.

Segundo o MPF, Jânio Natal autorizou Maria Helena a incluir servidores fantasmas na folha de pagamento da prefeitura a fim de gerar acréscimo financeiro na folha. A acusada tinha a anuência do ex-secretário de Saúde.

Ela inseriu o nome de Ramon Magalhães Silva e outras oito pessoas indicadas por ele na folha. No dia do pagamento, os envolvidos sacavam o dinheiro, retiravam cerca de R$ 500 e repassavam o resto para Maria Oliveira.

Ela, por sua vez, levava o dinheiro para casa e tirava sua parte 10%. Três dias depois, uma pessoa não identificada entrava em contato por telefone, a mando do ex-gestor, e marcava encontro para pegar os 90% restantes.

O dinheiro, diz o MPF, era entregue ao ex-prefeito Jânio Natal. Dessa forma, cerca de R$ 849 mil foram desviados da União.

To Top
%d blogueiros gostam disto: