Economia

Especial – Pedreiras de Santa Luz geram mais de 1500 empregos diretos

O município de Santa Luz, no semiárido baiano e a 260 km de Salvador, possui a maior reserva de pedras da Bahia, empregando cerca de 1.500 pessoas diretamente na sua extração e beneficiamento. Tendo a exploração iniciada em 1907, a produção atual é estimada em 205 mil paralelos/dia.

Segundo o Secretário da Cooperativa dos Trabalhadores de Pedra de Santa Luz, Carlos Matos da Silva, a extração e beneficiamento das pedras em Santa Luz têm uma produção atual estimada em 205 mil paralelos/dia. As explorações na localidade foram iniciadas em 1907, mas existe uma estimativa de que a reserva ainda dure mais cem anos de produção.

“Aqui não se pode nem mesmo saber quando vai acabar as rochas. Santaluz tem uma quantidade de rochas tão grande que não dá para dimensionar o tempo de produção”, comentou Ailton Medina, geólogo da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral – CBPM, que esteve acompanhando os representantes da Cooperativa dos Trabalhadores de Pedra na área de produção.

A frente de produção de Santa Luz utiliza atualmente cerca de 1.500 pessoas na exploração de paralelo. Isso equivale a cerca de 800 frentes de trabalho, com uma média de dois a três trabalhadores em cada uma delas. A produção é formada de paralelos, meio fio, lajota, canjiquinha e bloquete. Contudo, segundo Carlos Matos, a maior produção é de paralelo, com 4 milhões de paralelepípedos/mês. “Daqui sai 20 caminhões de paralelos por dia, mas na época de vendagem (maior) pode chegar a 50 caminhões por dia, o equivalente a 205 mil paralelos/dia”, informou Matos.

O valor do milheiro do paralelo hoje está estimado em R$ 140, mas Alcide Monteiro, presidente da Cooperativa, informa que “quem quiser pegar na pedreira, o preço pode ficar em torno de R$ 120”. Os produtos são vendidos para todo o estado, mas existem algumas regiões que consomem mais. “As cidades da Região Metropolitana de Salvador, como Lauro de Freitas, Dias D’Ávila e Simões Filho, além de Feira de Santana, é a força maior da nossa produção”, concluiu Monteiro.

Visita dos diretores da CBPM

Na última sexta-feira (23) a diretoria da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral – CBPM visitou o município de Santa Luz, a 260 km de Salvador, com o objetivo de vistoriar os trabalhos da empresa no interior do estado. A viagem contou com a presença do presidente Alexandre Brust e do diretor técnico Rafael Avena Neto, que aproveitaram para visitar a casa de apoio da litoteca na sede do município, a frente de produção e exploração de paralelepípedos da região, além da litoteca, onde estão depositadas todas as amostras do Acervo Geológico Mineral da CBPM.

Os diretores da CBPM aproveitaram para visitar a frente de lavra de paralelepípedos, localizada a 5 km da sede do município, onde puderam conhecer os trabalhos ali desenvolvidos. Alexandre Brust e Rafael Avena conversaram com os trabalhadores e os representantes da Cooperativa dos Trabalhadores de Pedra de Santa Luz, o presidente Alcide de Araújo Monteiro e o secretário Carlos Matos da Silva, sobre o apoio que a CBPM vem dando aos associados. Na oportunidade, além de conversarem sobre os serviços que estão sendo executados, os diretores ouviram algumas queixas dos associados, que apresentaram um documento de reivindicações ao presidente Alexandre Brust.

Preocupados com as condições de trabalho dos trabalhadores de pedra em Santa Luz, os diretores da CBPM ouviram atentamente as reivindicações dos representantes da cooperativa. Segundo eles, ainda existem acidentes no trabalho que preocupam, como perca de membros com explosão, inclusive com um registro fatal. Segundo o geólogo da CBPM Ailton Medina, “é preciso um trabalho de conscientização junto aos trabalhadores. Às vezes, eles nem usam o material que é fornecido para proteção”.

Dessa forma, ficou acertado que a CBPM vai fornecer 1.200 kits de segurança para os trabalhadores da pedreira, composto de capacete, bota, máscara, óculos e protetor de ouvido. Satisfeito com a atenção da empresa, o presidente da Cooperativa dos Trabalhadores de Pedra de Santa Luz, Alcide Monteiro, declarou que “nós vamos estar sempre conversando para encontrar uma maneira de sobreviver”.

Acervo da Litoteca em Salvador

Brust e Avena também visitaram o imóvel de propriedade da CBPM, onde futuramente poderá ser instalado um Centro Digital Tecnológico. Alexandre Brust informou que vai propor à Secretaria de Ciência e Tecnologia a criação de um CDC em Santa Luz, que seria instalado neste imóvel. Segundo Brust, a ideia é instalar um Centro com cerca de dez computadores para disponibilizar para a população local, e a criação de um espaço para cursos e palestras. Na proposta do presidente consta ainda a instalação de um mostruário, onde seriam expostas as principais variedades de minerais disponíveis na região.

Um dos propósitos da viagem à Santa Luz também foi o de examinar a forma como estão sendo guardadas as amostras e testemunhos de sondagens na litoteca da empresa, bem como avaliar a possibilidade delas serem transferidas para Salvador. A ideia é juntar todo o acervo em um galpão da Sudic, no Centro Industrial de Aratu (CIA). Segundo Alexandre Brust, “a proposta de trazer o acervo para Salvador é antiga e visa facilitar a visita e pesquisa de empresários e estudantes”. Brust disse ainda que o Conselho Administrativo da CBPM, reunido na última segunda-feira (26), já aceitou a ideia.

Texto e foto de Evandro Matos

To Top
%d blogueiros gostam disto: