História

Estudante de 18 anos morre atingida por cacos de vidro durante festa em Minas Gerais

A estudante de zootecnia Vitória Aparecida Vieira, de 18 anos, foi morta na madrugada de sábado, depois de atingida por estilhaços de uma garrafa arremessada contra várias pessoas, por outa jovem de 20, que foi presa pela Polícia Militar, durante uma briga na 34ª Exposição Agropecuária de Rio Pomba, cidade na zona da mata mineira. A jovem, que era natural de Ubá e estudava no campus de Rio Pomba do Instituto Federal (IF) Sudeste-MG, foi levada para o hospital da cidade, mas não resistiu. O enterro está marcado para manhã deste domingo, 26, em Ubá.

De acordo com o boletim de ocorrência da PM, os militares que trabalhavam no evento foram acionados por um amigo da vítima que disse que ela estava ferida e não conseguiu chegar até a ambulância. Eles chamaram os bombeiros civis que providenciaram o encaminhamento da vítima ao hospital São Vicente, no município, logo após chegou ao pronto atendimento da instituição uma segunda vítima, também de 20 anos, relatando que uma garrafa de vidro atingiu sua cabeça e quebrou logo em seguida, causando lesão, sem gravidade.

A equipe verificou as câmeras de segurança e viu que uma mulher teria arremessado o objeto na direção em que estavam Vitória e um amigo. Ela foi identificada mas seu nome não foi divulgado. Segundo boletim de ocorrência da PM a suspeita de autoria do crime é natural de Tocantins e reside em Rio Pomba com namorado. Em depoimento aos policiais ela disse que tomou a garrafa de alguém que estava próximo dela e jogou-a com intenção de atingir a ex-amásia de seu namorado, contudo acabou acertando outras pessoas aleatoriamente.

Ela foi autuada no plantão da Delegacia de Polícia em Ubá pelo crime de homicídio consumado. A informação tanto da Polícia quanto da prefeitura de Rio Pomba é de que a venda de e utilização de garrafas ou copos e objetos de vidro estavam proibidos no recinto. A PM divulgou uma nota ressaltando que nos preparativos de segurança para a realização da exposição, houve uma reunião com os organizadores onde foi acordada “a proibição de garrafas e copos de vidros durante o evento, por este motivo os seguranças não deixavam pessoas entrarem no evento com estes materiais”. Entretanto, segundo a nota da polícia, uma testemunha do crime contou aos policiais que comprou a garrafa de vodka que teria sido arremessada, em uma barraca dentro do parque de exposições.

Em nota, a prefeitura informou que “as empresas contratadas estavam cientes, mediante cláusulas contratuais, que era expressamente proibida a venda de bebidas em garrafas de vidro. Está sendo apurado se a garrafa que ocasionou o incidente é proveniente de uma venda ilegal. Os responsáveis serão devidamente punidos”.

O Instituto Federal Sudeste divulgou nota de pesar se solidarizando com os familiares e amigos e oferecendo apoio à família. (Com informações do jornal O Estado de Minas).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

To Top
%d blogueiros gostam disto: