Eleições 2018

PT entrou com ação na Justiça e PDT vai pedir anulação da eleição

A denúncia de que empresas que apoiam Jair Bolsonaro (PSL) compraram supostos pacotes de fake news contra o PT para serem divulgados pelo WhatsApp com dinheiro de Caixa 2, revelada nesta quinta-feira em uma reportagem do jornal ‘Folha de S. Paulo’, provocou uma verdadeira guerra entre os candidatos à Presidência da República. Bolsonaro chamou a ação, que foi negada pelos empresários, de “apoio voluntário”, e disse que “não tem necessidade disso” em sua campanha. Gustavo Bebianno, presidente do PSL, argumentou que é “impossível controlar as redes”.

Do outro lado, Fernando Haddad defendeu a prisão dos envolvidos e a delação premiada, enquanto o PT entrou na Justiça para pedir uma investigação .

DIZ HADDAD – “Basta prender um empresário que ele vai fazer delação premiada e entregar a quadrilha toda. Se prender um, em menos de dez dias vamos ter a lista de todos os empresários que estão financiando o caixa 2 para essa campanha difamatória”, escreveu Haddad em sua conta de twitter, e acrescentou que a democracia está em risco.

Mais cedo, o candidato do PT acusou o seu adversário de ter criado uma organização criminosa para distribuir mensagens falsas de WhatsApp contra o PT.  Disse, ainda, que recebeu informações de que Bolsonaro pediu, em jantares, para empresários darem esse tipo de apoio irregular à sua campanha.

Após  evento em que recebeu o apoio de juristas , Haddad voltou a acusar o capitão reformado de pedir para empresas darem esse tipo de apoio à sua candidatura.

INDÍCIOS – Vamos levar ao conhecimento da Justiça todos os indícios, alguns que estão nos chegando agora de reuniões em que ele (Bolsonaro), de viva voz, pediu o apoio via Whatspapp. Ele próprio, em jantares com empresários, fez o pedido para que a doação fosse feita dessa maneira, de forma ilegal – afirmou o candidato, depois de participar de um ato com juristas em São Paulo.

Já Bolsonaro, em transmissão ao vivo no seu Facebook na noite desta quinta-feira, disse que “não precisa de fake news para combater o Haddad” e negou ter feito qualquer pedido a empresários para disseminar notícias falsas.

– Não temos necessidade disso. Não fiz jantar nem almoço com ninguém – disse Bolsonaro, que ainda fez uma piada com as acusações de que a suposta compra de pacotes de fake news configuraria caixa dois.

NO CAIXA 2… – “Desde que voltei para casa, dei apenas cinco saídas: uma para ir ao Bope, uma para ir à Polícia Federal, uma para visitar (o arcebispo do Rio) Dom Orani e duas vezes fui ao banco. Uma vez fui no caixa 2 do banco, por coincidência era o caixa 2 (risos)” – disse o presidenciável.

Mais cedo, em publicações no seu Twitter, Bolsonaro usou a expressão “apoio voluntário” para classificar a ação de seus apoiadores nas redes sociais, e cutucou Haddad:

“Apoio voluntário é algo que o PT desconhece e não aceita. Sempre fizeram política comprando consciências”.

SEM CONTROLE – Em entrevista convocada no fim da tarde, o presidente do PSL, Gustavo Bebianno, afirmou que considera “impossível controlar” o uso que apoiadores do presidenciável fazem das redes sociais, mas negou que a campanha faça pagamentos ou tenha pedido a empresários para empregar recursos na disseminação de conteúdo contra o PT via WhatsApp.

“Nem o PSL nem a campanha do candidato Jair Bolsonaro e muito menos o candidato Jair Bolsonaro se prestam a esse tipo de papel. Toda e qualquer doação feita até hoje, fosse para o PSL ou para a campanha do candidato, são recursos doados via nossa plataforma, de acordo com a legislação” — afirmou Bebianno, ponderando:

“Óbvio que existe sempre a possibilidade de apoiadores de um lado e de outro lançarem mão de suas redes sociais para se manifestar. Impossível você controlar. Como vai controlar o uso que as pessoas fazem de suas redes sociais? Simplesmente o PSL não tem absolutamente nada a temer, e a campanha também não. O senhor (Fernando) Haddad que prove o que está dizendo.

NA JUSTIÇA – A campanha do candidato do PT à Presidência protocolou nesta quinta-feira uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que a Corte abra uma investigação com o objetivo de apurar possíveis crimes eleitorais cometidos pela candidatura de seu adversário. No documento, o PT diz que a campanha de Bolsonaro cometeu “abuso de poder econômico” e “uso indevido de comunicação digital”. O pedido é baseado em denúncia publicada pelo jornal “Folha de S. Paulo”.

Mais cedo, o PDT anunciou que irá pedir a nulidade das eleições presidenciais de 2018 por conta da denúncia publicada no jornal “Folha de S.Paulo” nesta quinta-feira . O presidente do PDT, Carlos Lupi , está reunido com outros integrantes do partido para definir o formato dessa ação. Ele pondera que as fake news têm se transformado no grande problema desta eleição.

WHATSAPP DIZ CONTROLAR – Em nota, o WhtasApp informou que vai investigar a denúncia de divulgação  sistematizada de fake news por empresas e informou que já ter banido centenas de milhares de contas durante o período das eleições brasileiras.

“Temos tecnologia de ponta para detecção de spam que identifica contas com comportamento anormal ou automatizado, para que não possam ser usadas para espalhar spam ou desinformação” – explicou. (Deu em O Globo).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

To Top
%d blogueiros gostam disto: