Interior da Bahia

História

Ditadura de 1964: Paulo Coelho relata torturas que sofreu: “É isso que Bolsonaro quer celebrar?”

O jornal “The Washington Post” publicou neste sábado um artigo assinado pelo escritor brasileiro Paulo Coelho , autor de best-sellers como “O Alquimista” e “Brida”, em resposta à determinação do presidente Jair Bolsonaro para que o aniversário de 55 anos do golpe militar de 1964 seja lembrado neste domingo. O título do artigo, escrito em português e traduzido para o inglês pela equipe da publicação, é “Fui torturado pela ditadura do Brasil. É isso que Jair Bolsonaro que celebrar?”.

Queriam que delatasse pessoas que nem conhecia”, diz o escritor

No texto, Coelho, de 71 anos, contou detalhes de como foi torturado após ter sido detido e liberado pelo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) , em maio de 1974. Segundo o relato, após ser fichado e fotografado pela polícia, o autor teve o táxi em que voltava para casa interceptado e foi levado para um local desconhecido, onde foi agredido e ameaçado por homens armados, interrogado sobre assuntos que diz desconhecer e submetido a choques elétricos.

DÉCADAS DE CHUMBO – Durante a semana, quartéis em São Paulo e em Brasília fizeram atos alusivos ao golpe que iniciou a ditadura militar no Brasil. Para o escritor, trata-se de uma comemoração de “décadas de chumbo”.

“Saí da prisão, mas ela me acompanha. Meus pais nunca se recuperaram. Décadas depois, os arquivos da ditadura são abertos e meu biógrafo consegue todo o material. Pergunto por que fui preso: uma denúncia, ele diz. Quer saber quem o denunciou? Não quero. Não vai mudar o passado”, escreveu Coelho, que completou: “São essas décadas de chumbo que o presidente Jair Bolsonaro – depois de mencionar no Congresso um dos piores torturadores como seu ídolo (o general Carlos Alberto Brilhante Ustra) – quer festejar nesse dia 31 de março”.

Registro da passagem de Paulo Coelho pela investigação no período da ditadura

“APENAS UM COMPOSITOR” – Na época, o escritor havia acabado de mergulhar no movimento hippie. Dois anos antes, conheceu Raul Seixas, com quem chegou a compor, assim como fez com Rita Lee e Elis Regina. A ligação com a música, para ele, não era o suficiente para explicar a chegada de um grupo de homens armados que fizeram buscas na residência dele e o levaram para prestar depoimento.

“Começam a revirar gavetas e armários – não sei o que estão procurando, sou apenas um compositor de rock. Um deles, mais gentil, pede que os acompanhe ‘apenas para esclarecer algumas coisas’. O vizinho vê tudo aquilo e avisa minha família, que entra em desespero. Todo mundo sabia o que o Brasil vivia naquele momento, mesmo que nada fosse publicado nos jornais”, relembrou Coelho, que manteve a narrativa no presente, mesmo que o registro tenha sido feito agora, 44 anos depois do ocorrido.

TÁXI E TORTURA – Após ter respondido às perguntas de um tenente, que classificou como “tolas”, o escritor mencionou a interceptação do táxi, momento que deu início aos episódios de tortura.

“Quando saio, o homem que me levara ao DOPS sugere que tomemos um café juntos. Em seguida, escolhe um táxi e abre gentilmente a porta. Entro e peço para que vá até a casa de meus pais – espero que não saibam o que aconteceu. No caminho, o táxi é fechado por dois carros; de dentro de um deles sai um homem com uma arma na mão e me puxa para fora. Caio no chão, sinto o cano da arma na minha nuca”, descreveu.

Paulo Coelho conta que, após chegar em um local desconhecido, foi espancado enquanto andava pelo que parecia ser um corredor. No fim dele, estaria o que o autor chamou de “sala de torturas”, com uma soleira que o fez perceber que se tratava de um lugar a prova de som.

CHOQUES NAS GENITAIS – Encapuzado, relatou que sentiu os pés molhados e em contato com uma máquina com eletrodos, fixados nos genitais. Os choques o levaram, segundo o artigo, a arranhar a pele e “tirar pedaços” de si.

“Grito, mas sei que ninguém está ouvindo, porque eles também estão gritando. “Terrorista, dizem. Merece morrer. Está lutando contra seu país. Vai morrer devagar, mas antes vai sofrer muito”, registrou Coelho.

Paulo Coelho, em 1971, censurado pela ditadura (Foto arquivo pessoal)

A tortura, escreveu o autor, era acompanhada de pedidos para que ele delatasse “gente de quem nunca ouvi falar”.

MAIS TORTURA – Uma segunda sessão ganhou nota no texto, referente ao dia seguinte à chegada. Paulo teria se oferecido para assinar uma confissão em troca do fim das agressões, o que não aconteceu. Foi levado, conforme detalhou, para uma sala pequena, com as paredes pintadas de preto e com o ar condicionado “fortíssimo”. Apesar do frio, foi o barulho o fez passar perto da loucura.

“Apagam a luz. Só escuridão, frio, e uma sirene que toca sem parar. Começo a enlouquecer, a ter visões de cavalos. Bato na porta da ‘geladeira’ (descobri mais tarde que esse era o nome), mas ninguém abre. Desmaio. Acordo e desmaio várias vezes, e em uma delas penso: melhor apanhar do que ficar aqui dentro”, recordou.

NA GELADEIRA – Coelho não soube precisar quanto tempo passou na “geladeira”, uma vez que a luz estava sempre acesa e não era possível, para ele, notar o passar dos dias. Do lado de fora, ficou sabendo depois que os pais não conseguiam dormir — a mãe chorando continuamente, e o pai “já não falava”. O cárcere chegou ao fim, após ele ter sido abandonado em uma praça em local desconhecido do Rio.

“Sou levado até um carro e posto na mala. Giram por um tempo que parece infinito, até que param – vou morrer agora? Mandam-me tirar o capuz e sair da mala. Estou em uma praça com crianças, não sei em que parte do Rio. Vou para a casa de meus pais. Minha mãe envelheceu, meu pai diz que não devo mais sair na rua”, destacou Coelho. (João Paulo Saconi / O Globo/ Fotos Divulgação/ Internet).

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG Conheci Paulo Coelho através de nossa amiga Maria do Rosário Nascimento Silva, que era atriz e ex-mulher de outro amigo, Walter Clark, que então dirigia a TV Globo. Depois, meu relacionamento com Paulo Coelho se estreitou, porque ele se casou com minha amiga de infância Cristina Oiticica. Seu depoimento é estarrecedor. Fiquei triste, pensando também na dor de outra amiga, Hildegard Angel, cujo irmão, Stuart Angel, foi barbaramente torturado e morreu amarrado ao parachoque traseiro de um jipe, que o arrastava com o rosto preso ao escapamento, para respirar a fumaça. O mais triste e ver cada vez mais pessoas a defender a tortura que manchou as fardas militares de forma indelével. O fato é que os torturadores jamais foram punidos e alguns se tornaram “heróis” neste inusitado país. (Carlos Newton).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas