Interior da Bahia

Justiça

Irmão de Alcymar Monteiro acusa Wesley Safadão de fraude e pede R$ 1 milhão de indenização

São mais de 40 anos de carreira, 38 discos gravados e mais de 500 composições registradas. Canções gravadas por nomes como Fagner e Alceu Valença. O currículo do músico cearense João Paulo Júnior, irmão de Alcymar Monteiro, impressiona. Entretanto, mais de 25 anos depois de gravar a música “Dinheiro não tenho, bonito não sou”, o compositor radicado no Recife acusa Wesley Safadão de fraude. Segundo João Paulo, Safadão apenas mudou o nome da canção para “Tem que ser por amor”, sem dar os devidos créditos. Agora, ele pede R$ 1 milhão de indenização.

João Paulo Júnior, com o irmão Alcymar Monteiro, entrou com ação

Em 1992, João Paulo gravou um LP com a faixa. “Eu fiz essa música e gravei em vinil. Essa música rodou bem aqui no Recife, foi um estouro geral em Fortaleza”, lembra. Mas em 2017, a canção virou alvo de uma polêmica que foi parar na justiça. Na internet, uma versão cuja única diferença é o nome, circula na voz de Wesley Safadão.

A música de João Paulo foi registrada no Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD), em parceria com o irmão, Alcymar Monteiro. Ele descobriu a versão de Safadão no ano passado e declara que o cantor não pediu autorização para usar a canção. “Algumas pessoas me falaram que ele cantava uma música minha. Ele gravou em um disco em que é a segunda faixa e a também fecha o álbum. Eu fui procurar na internet, mas não achava nada porque lá o nome é outro”, explica.

O compositor pede uma indenização de cerca de R$ 1 milhão, alegando alteração do título, direitos autorais e danos morais. “Estou atrás dos meus direitos. A sensação que eu tive foi de estar sendo enganado. Você deixa de arrecadar”, declara. A primeira audiência do processo ocorreu recentemente, em fevereiro deste ano. João Paulo foi ao Fórum do Recife, mas diz que os advogados não ofereceram nenhuma proposta de acordo.

Segundo João Paulo, outros cantores já fizeram o uso irregular das músicas dele, mas dessa ele resolveu agir para dar um basta. Ele finaliza dizendo que espera mais respeito ao trabalho dos compositores no Brasil. “Ele podia ter falado comigo, dito que queria gravar minha música. Agora, quando você vê sua obra cantada por tanta gente como se ele fosse o autor, a gente fica muito chateado com isso”.

O compositor radicado no Recife acusa Wesley Safadão de fraude

Questionado sobre a acusação, o cantor Wesley Safadão se manifestou por meio de nota enviada por sua assessoria jurídica. Confita a íntegra do texto:

“O Artista Wesley Safadão não reconhece as alegações de plágio que estão sendo imputadas pelo Sr. João Monteiro. Esclarecemos que a obra “Tem que se por amor”, a qual foi interprete e esteve presente em seus shows até o ano 2009, possui cadastro no ECAD de nº 1956415, e é de composição por Afonso Victor Simão, João Grimaldi e Irmãos Vitale Editores Ltda.

Importante informar que a referida obra consta no sistema do ECAD como liberada, original e não contestada, sendo inclusive interpretada na época por diversas outras bandas.

Por fim, caso o Sr. João Monteiro entenda que a música represente um plágio de outra obra de sua composição, deverá provar tal fato pelos meios cabíveis e contra os reais compositores da letra “Tem que ser por amor”, sendo certo que a referida não foi composta e nem é de autoria do artista Wesley Safadão.”  (Fonte: Diário do Forró).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas