História

Irmã Dulce: como ela usava os políticos para ajudar aos pobres

No próximo 13 de outubro, Irmã Dulce (1914-1992) se tornará a primeira santa brasileira, em cerimônia no Vaticano. Em vida, a religiosa ganhou notoriedade pela vocação de acolher mendigos e doentes em sua casa e visitar presos nas cadeias. Mas a vida dessa mulher de 1,48 metro de altura e de saúde frágil (no fim da vida chegou a pesar 30 quilos) ia muito além disso.

O presidente José Sarney cumprimenta a Irmã Dulce (Gervásio Baptista/Divulgação)

A freira era uma potência. É nesse cenário que o jornalista Graciliano Rocha ambienta Irmã Dulce, a Santa dos Pobres (editora Planeta), o mais completo livro sobre a futura santa brasileira. Para arregimentar dinheiro para os pobres e construir o Hospital Santo Antônio, em Salvador, a religiosa transitou entre os políticos como poucos.

Com ACM, Irmã Dulce sempre teve uma boa relação (Foto: Correio da Bahia)

Uma das relações mais curiosas e íntimas foi com Antônio Carlos Magalhães. Em 1979, ACM mudou a agenda do então presidente João Baptista Figueiredo, durante uma visita à Bahia, incluindo uma passada no Hospital Santo Antônio. Ao chegar à instituição, a freira o pegou pelo braço e conduziu o caminho. Figueiredo viu doentes amontoados em macas pelos corredores, em colchões no chão – inclusive ocupando o espaço do necrotério. Três anos depois, o hospital estava com 800 leitos, 70% mais em relação à década anterior.

De José Sarney, recebeu o número de telefone que tocava diretamente em sua mesa do gabinete do Palácio do Planalto. “Irmã Dulce nunca subiu num palanque”, diz o autor de sua biografia. “Quando lhe perguntavam qual era seu partido, ela dizia: o partido dos pobres.” (Fonte: Revista Veja).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas