Política

Pouco mudou, mas Bolsonaro turbina retrospectiva do primeiro ano com dados maquiados

O governo preparou um embrulho vistoso para divulgar o balanço de realizações do primeiro ano de Jair Bolsonaro no poder. O conteúdo do pacote, como se vê ao desatar o laço, é bem mais mixuruca que o marketing presidencial.

Balanço do primeiro ano de Bolsonaro precisa de tradução simultânea

A retrospectiva com as “principais entregas do governo”, anunciada na segunda-feira (dia 23), é um compêndio das confusões administrativas do Planalto. Há números maquiados, propostas que jamais serão aprovadas e até manifestações de órgãos públicos sem nenhum efeito prático.

HERANÇA DE TEMER – Uma análise feita pela Folha mostrou que o governo lista como um de seus feitos um resultado positivo de R$ 30,2 bilhões nas contas públicas em janeiro. Bolsonaro tentou pegar carona numa herança contábil da gestão de Michel Temer e escondeu o fato de que os cofres federais ficaram no vermelho nos meses seguintes.

O presidente nem precisava recorrer a essa tapeação. Bastava mencionar que o rombo no Orçamento vem caindo em comparação com anos anteriores. Mas a decisão de pinçar um dado revela a compulsão do governo em distorcer o que for possível.

MAIS “INSERÇÕES” – Bolsonaro incluiu na propaganda oficial uma medida provisória que foi rejeitada pelo Congresso e perdeu a validade. O balanço também foi inflado pela proposta de isentar de punição os militares e agentes de segurança que cometerem crimes durante operações de garantia da lei e da ordem. O projeto é considerado abusivo por deputados e senadores, que tendem a engavetá-lo.

O Planalto lista como vitória o apoio dos EUA à entrada do Brasil na OCDE, apesar de os americanos evitarem movimentos efetivos nesse sentido. Estão lá, ainda, a prisão de Cesare Battisti (que ocorreu na Bolívia) e a tal abertura da caixa-preta do BNDES (embora o presidente do banco tenha admitido que não existe mais nada para ser esclarecido).

O método adotado pelo presidente reflete seu interesse em usar o megafone presidencial para fazer afagos a suas bases políticas, sem se importar muito com realizações concretas. O ano de 2019 foi assim. (Bruno Boghossian / Folha).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas