Política

Deputado diz que Bolsonaro usa o Estado para proteger o filho Flávio de investigações

Chamado de traidor pela ala da direita alinhada ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) não poupa críticas ao capitão reformado, a quem acusa de usar o Estado para proteger de investigações o filho, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ).

Bolsonaro vem sendo criticado por aliados e ex-aliados por causa das suas ações

Em seu primeiro mandato, Kim Kataguiri foi o quarto deputado federal mais bem votado no estado de São Paulo nas eleições de 2018. É também cofundador do MBL (Movimento Brasil Livre), grupo criado em 2014 na esteira da insatisfação popular com o governo Dilma Rousseff (PT).

ESTELIONATO ELEITORAL – Embora tenha apoiado Bolsonaro no segundo turno contra o petista Fernando Haddad, Kataguiri discorda da avaliação do líder do centrão, deputado federal Arthur Lira (PP-AL), de que o presidente não cometeu estelionato eleitoral.

“A gente não está vendo essa agenda de privatizações prometida pelo governo. A gente não está vendo a reforma trabalhista mais profunda prometida pelo governo”, afirma, em entrevista concedida no estúdio compartilhado da Folha e do UOL, em Brasília.

PROTEÇÃO – “Em relação ao combate à corrupção, a gente vê o presidente da República utilizando o Estado de maneira patrimonialista para proteger o próprio filho, o senador Flávio Bolsonaro, de investigações.”

Kataguiri cita ainda o fato de o governo ter um de seus ministros, Marcelo Álvaro Antônio (Turismo), indiciado pela Polícia Federal por suspeita de envolvimento no esquema de desvio de recursos públicos por meio de candidaturas de mulheres laranjas em 2018.

ELEIÇÕES DE 2022 – “Na entrevista, o deputado analisa o cenário para a eleição presidencial de 2022, na qual descarta apoiar uma eventual candidatura do presidente da Câmara e seu colega de partido, Rodrigo Maia (DEM-RJ): “Discordo da visão de mundo dele, assim como discordo da visão de mundo de outros que eu não vou apoiar”.

O deputado fala ainda dos planos do MBL de virar partido político, critica a tentativa do governo de se apropriar dos temas da direita conservadora e diz que conversa com legendas para tentar lançar o deputado estadual Arthur do Val, o Mamãe Falei, à prefeitura de São Paulo.”

ESTELIONATO ELEITORAL – “Nós criticamos no governo e denunciamos aquilo que foi promessa de campanha do próprio presidente. O presidente foi bastante enfático na defesa do combate à corrupção, na defesa da promoção de um mercado liberal.

A gente não está vendo essa agenda de privatizações prometida pelo governo. A gente não está vendo a reforma trabalhista mais profunda prometida pelo governo.

Em relação ao combate à corrupção, a gente vê o presidente da República utilizando o Estado de maneira patrimonialista para proteger o próprio filho, o senador Flávio Bolsonaro, de investigações.”

GABINETE DO ÓDIO – A radicalização do governo e os ataques digitais são coordenados, né? Evidentemente, existe, sim, uma rede, principalmente articulada pelo [vereador e filho do presidente] Carlos Bolsonaro [PSC-RJ], que acho que é o principal responsável pelas redes sociais, inclusive do próprio presidente da República.

E, além disso, você tem uma radicalização do discurso para continuar essa polarização com o PT, para, no final das contas, fazer com que o Bolsonaro em 2022 vá para o segundo turno ou com o [ex-presidente] Lula ou com algum candidato do Lula.

O MBL paga o preço por fazer um mea culpa, por diminuir a polarização. Perde seguidor, perde alcance, perde engajamento, perde financiamento.

INDEPENDÊNCIA NO DEM – Dá para ter essa independência. Acho que, se chegar a um ponto de ruptura ou de discordância, em que o partido discorda tanto da minha atuação que fica insuportável me ter no partido, se repetiria o episódio com o Arthur do Val [Mamãe Falei], deputado estadual que foi tão crítico ao governo Doria e com o vice do Democratas, o vice-governador Rodrigo Garcia, que foi expulso do partido.

Eu não acredito que vá chegar a esse ponto. Tenho uma independência completamente respeitada pelo líder do partido e por outros membros do partido.

MBL PARTIDO POLÍTICO – Quero que se torne um partido político. Acho que não é o momento, principalmente tendo em vista a proximidade das eleição de 2020, mas, para 2022 ou para depois de 2022, acho que tem que se estruturar num partido político, sim.

A estrutura de liderança partidária, o funcionamento do Parlamento, exige que você tenha um partido político para ter mais força, para fazer destaque, para usar o seu tempo, para obstruir, para aprovar pautas.

E acho que esse é o caminho natural do MBL, inclusive para futuramente fornecer mais alternativas, não só para o Legislativo, mas para o Executivo também.

ELEIÇÃO EM SÃO PAULO – Nós queremos lançar o Arthur do Val, o Mamãe Falei, o deputado estadual, para a prefeitura de São Paulo.

Não tem partido político ainda, mas a gente conversa com diversos deles para tentar ter um partido político ou quiçá formar uma coligação para lançá-lo a prefeito.

COMBATE À CORRUPÇÃO – Primeiro, o governo precisa começar dando o exemplo. Não pode ter nenhum tipo de atuação, nenhuma reunião do presidente com nenhum ministro do STF para falar sobre o caso do próprio filho.

Você não pode ter medida provisória acabando com órgão de fiscalização e controle [o Coaf]. Você não pode ter um ministro do Turismo cheio de acusações nas costas e que, até agora, parece que foi esquecido e está lá no governo, continua até hoje. E o governo briga com o PSL, mas o ministro do PSL continua dentro do governo. Enfim, o governo precisa dar o exemplo.

E, em segundo lugar, eu acho que levar em frente a pauta de privatização também é uma pauta anticorrupção, porque tira da mão das indicações políticas empresas que são estratégicas para o país, e, justamente por serem estratégicas, não podem estar na mão do Estado.

DESCUMPRIMENTO DE ACORDOS –  Não existe promessa feita por um articulador político do governo que não tenha passado pelo presidente da República.

Então é má-fé. Mau-caratismo, má-fé. O governo promete coisa que ele sabe que não vai querer cumprir.

LULA E OPOSIÇÃO – No mea culpa do MBL, o principal erro foi a gente ter misturado quem era de esquerda e simplesmente discordava da gente com quem era de esquerda e tinha cometido crime, quem era ladrão, quem era bandido.

Uma coisa é dialogar com uma pessoa que eu sei que está bem-intencionada, mas que discorda da minha visão de mundo. Outra coisa é eu sentar para dialogar com uma pessoa que sei que está lá para organizar uma organização criminosa e para ter um projeto totalitário de poder. Aí não tem diálogo.

ELEIÇÃO DE 2022 –  Mantida a temperatura atual, tudo se desenha para um cenário em que o Bolsonaro vai para o segundo turno com um candidato petista.

Mas eu ainda acredito mais na probabilidade de a gente não saber quem é o próximo presidente da República e de ele não estar posto como candidato nem como pré-candidato.

RODRIGO MAIA – Jamais apoiaria o Rodrigo Maia para presidente da República. Esse alinhamento com o centrão não faria o menor sentido com a minha bandeira, não faria o menor sentido com o que eu defendo, me alinhar com um projeto desse.

Acho que é legítimo, se ele quisesse disputar, que dispute a Presidência da República. Mas eu discordo da visão de mundo dele, assim como discordo da visão de mundo de outros que eu não vou apoiar.

[Após gravar o vídeo, Kataguiri solicitou correção no trecho em que critica Maia pelo fundo eleitoral de R$ 2 bilhões, aprovado pelo Congresso em dezembro. O deputado afirma que a crítica deveria ser direcionada ao presidente do Senado e do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e não a Maia.] (Danielle Brant e Guilherme Mazieiro/ Folha / Uol).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas