História

Morre no Rio, aos 94 anos, o escritor Rubem Fonseca

Um dos maiores escritores do País, Rubem Fonseca morreu, aos 94 anos, na tarde desta quarta-feira (15), no Rio de Janeiro. Ele sofreu um infarto perto da hora do almoço, no apartamento em que residia, no Leblon. Levado imediatamente ao hospital Samaritano, faleceu lá. Ele completaria 95 anos em menos de um mês.

Rubem Fonseca sofreu um infarto perto da hora do almoço, em seu apartamento, no Leblon

Nascido em Juiz de Fora, Minas Gerais, em 11 de maio de 1925, José Rubem Fonseca formou-se em Direito, tendo exercido várias atividades antes de se dedicar inteiramente à literatura.

Atravessou um longo período na carreira policial, na qual ingressou ocupando o cargo de comissário, no 16º Distrito Policial, em São Cristóvão, ainda em terras cariocas.

Um dos melhores estudantes da Escola de Polícia, se destacou profissionalmente pela percepção apurada da psique humana, uma visão psicológica dos infortúnios das pessoas. As experiências então vivenciadas foram depois traduzidas por ele em sua obra.

O escritor nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais, em 11 de maio de 1925

Ao viajar para estudar nos Estados Unidos, em 1954, cursou também Administração e Comunicação, nas Universidades de Nova York e de Boston. De volta ao Brasil, atuou na Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, ministrando aulas sobre seu campo de trabalho. 

Literatura

Iniciou a trajetória literária escrevendo contos, reunidos depois no livro “Os Prisioneiros”, lançado em 1963. A partir daí, seu impulso criador não parou mais. Publicou clássicos incontornáveis, como “A Coleira do Cão”, “Lúcia McCartney”, “O Caso Morel”, “Feliz Ano Novo”,”A Grande Arte”, adaptado para o cinema pelo próprio autor, dirigido por Walter Salles Jr.; Buffo & Spallanzani; “Agosto”, dentre muitos outros.

Escritor Rubem Fonseca completaria 95 anos no dia 11 de maio

Pela qualidade literária, ganhou inúmeros e importantes prêmios, dentre eles o Jabuti, Goethe e o Luís de Camões. Em suas obras, geralmente são retratados personagens à margem da sociedade, como assassinos e prostitutas, representados num cenário marcado pela violência explícita e por uma alta voltagem sexual. 

A mescla entre fatos históricos e ficção é outra característica da pena de Rubem, além da linguagem crua e sem rodeios.

Cinema

Profundamente interessado na sétima arte, escreveu também roteiros para filmes, muitos deles premiados, como “Stelinha”, de Miguel Faria, que ganhou o Kikito de Ouro, no Festival de Gramado, e “A grande arte”, vencedor do Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte.

Um dos filhos, José Henrique Fonseca, é cineasta, tendo dirigido filmes como “Heleno” e “O Homem do Ano”. (Fonte: Correio Braziliense).

To Top
%d blogueiros gostam disto: