Política

Bolsonaro quer manipular investigações da PF para salvar os filhos e ele próprio

O bolsonarismo está em festa. Comemora a convicção que o depoimento do ex-ministro Sérgio Moro não trouxe nenhuma “bala de prata” capaz de matar o vampiro, digo, o presidente, e as acusações seriam vazias, Jair Bolsonaro e os filhos tirariam de letra etc. e tal.

Denúncias já transformaram Bolsonaro em réu (Foto: Reuters/Adriano Machado)

Mas a realidade não é bem assim. Com sua larga experiência de combate ao crime, enfrentando os maiores advogados do país, Sérgio Moro sabe que em suas afirmações devem ser apenas indicativas, para não caracterizar denunciação caluniosa.

Ou seja, o ex-ministro está apontando graves irregularidades cometidas pelo presidente da República, mas sempre ressalvando que o chefe do governo não chegou a cometeu crime.

O RÉU É MORO – Nesse processo, o réu é Sérgio Moro, que está sendo acusado de sete crimes pelo presidente Bolsonaro, representado pelo procurador-geral Augusto Aras. É genial essa estratégia do ex-ministro, que não acusa contundentemente e apenas sinaliza como podem ser conseguidas as provas materiais.

Bolsonaro e os filhos Flávio, Eduardo e Carlos: mistérios no Rio de Janeiro (Foto: A Gazeta)

Como isso, sem ter se socorrido no instrumento da exceção da verdade, Moro já conseguiu transformar Bolsonaro em réu do processo, que havia aberto na condição de vítima.

Na ignorância jurídica que o caracteriza, o presidente da República não entende a manobra de Moro e saí dando declarações irônicas de que até agora não conseguiram lhe atribuiu um só crime. Não percebe que o ex-ministro não está se referindo ao cometimento de crimes, mas à insistente tentativa de cometê-los, cuja concretização só não ocorreu devido à resistência de Moro, que já se tornara pública e notória.

A CHAVE DA QUESTÃO –  Tudo gira em torno da estranha insistência do presidente da República, que há meses tenta nomear uma pessoa de sua confiança para a Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro

As pessoas estranham esse fato e o próprio Bolsonaro procura afastar as suspeitas dizendo que seus filhos estão sendo investigados pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e não há nenhum inquérito contra eles na Polícia Federal. Mas isso não é verdade.

Junto com o ex-assessor Fabrício Queiroz, sargento da PM, os filhos Flávio e Carlos Bolsonaro estão sendo investigados pela PF no processo das milícias que atuam no Rio de Janeiro, e Flávio aparece como financiador de prédios ilegais, segundo o site The Intercept. (Por Carlos Newton / Tribuna da Internet)

P.S. 1Bolsonaro tenta desesperadamente desarmar essa bomba-relógio, mas não conseguiu obter subserviência do então ministro da Justiça. Por isso, teve de demiti-lo para nomear um delegado amigo para o Rio de Janeiro, e esse foi o primeiro ato do novo diretor-geral da PF. 

P.S. 2Há mais dois inquéritos no Ministério Público do Rio — um deles é o das “rachadinhas” de Flávio e o outro refere-se aos “funcionários fantasmas” de Carlos.  Sobre as “fake news” da família, corre um inquérito no Supremo e uma CPI no Congresso, com investigações que envolvem também o filho mais novo, Eduardo.

P.S. 3 – O sumiço temporário da gravação que incriminaria Bolsonaro demonstra a que ponto pode chegar esta família que chegou ao poder pelo voto e quer se manter pela força, envergonhando as Forças Armadas.  (C.N.)

To Top
%d blogueiros gostam disto: