Cultura

Pelada com cabeça de Bolsonaro rende ameaças de morte a coletivo de arte em SP

A pelada em São Paulo aconteceu no bairro do Bom Retiro com operários e pessoas que discordam do atual governo, mas não necessariamente jogadores de futebol, afirma a fonte anônima. No final da partida, um dos membros do time entregou a cabeça de Bolsonaro para um cachorro labrador, que se refestelou com seu novo brinquedo antes de posar para uma foto com toda a equipe.

Um dos membros do time entregou a cabeça de Bolsonaro para um cachorro labrador, que se refestelou com seu novo brinquedo antes de posar para uma foto com toda a equipe.

As cabeças foram criadas com silicone, material que possibilita simular a pele humana com feições bastante realistas, afirma Merino, o artista responsável pela produção das peças. “O silicone não engrandece o personagem; o bronze converte o personagem em algo que se tem que respeitar”, diz. O bronze é com frequência empregado na produção de monumentos e estátuas. Foram necessários dois meses para a feitura da cabeça de Bolsonaro, que pesa cerca de dois quilos.

Depois da divulgação do vídeo brasileiro no Instagram do coletivo, seus integrantes passaram a receber ameaças de morte, uma resposta que já era esperada, dado o histórico de ações controversas do grupo, segundo o membro em questão. Formado em 2001 por grafiteiros, fotógrafos e ativistas, o Indecline é conhecido por realizar projetos com o objetivo chocar a opinião pública, como quando instalou um boneco de Trump atrás das grades dentro de uma suíte luxuosa da Trump Tower, em Nova York.

Há 143 mil comentários no post do vídeo da pelada no Instagram do Indecline -muitos afirmam que o coletivo desrespeitou Bolsonaro e ameaçam seus integrantes de prisão. “Ele [Bolsonaro] se ofende com homossexualidade, feminismo e socialismo, mas fica excitado com toda fantasia de violência contra seus oponentes políticos. Mas os oponentes não são tão rígidos e trazem alegria e movimento à sua resistência, que fez de brasileiros como Pelé um ícone em todo o mundo”, escreve o coletivo na postagem.

Também foi gravada uma partida com uma réplica da cabeça de Putin no gramado em frente ao Congresso americano, em Washington, e outra com a cabeça de Trump na fronteira do México com os Estados Unidos -esta, jogada por mexicanos junto à grade que separa Tijuana de San Diego. Viktor Orbán, premiê da Hungria, e Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas, devem ser os próximos.

As cabeças destruídas pelos chutes serão exibidas em galerias de arte da Holanda e da Espanha, ainda neste ano, junto com vídeos e fotos das partidas. A ideia é também promover uma partida em que os visitantes das mostras joguem com as cabeças dos presidentes. Não há uma data nem um local de exibição definidos para o Brasil, tanto pela logística do transporte de obras durante a pandemia quanto pela segurança dos envolvidos, diz o porta-voz do Indecline. (Fonte: Folhape).

To Top
%d blogueiros gostam disto: