Economia

Prefeitos baianos aderem a “Marcha à Brasilia” e ameçam fechar prefeituras

A crise econômica volta a rondar os municípios baianos. Com isso, os prefeitos decidiram em reunião promovida pela Associação dos Municípios da Região do Sudoeste da Bahia (AMIRS), ontem, em Poções, realizar uma nova mobilização no próximo dia 5 de outubro.

O encontro, que reuniu o presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Roberto Maia, associações regionais (AMIRS, AMVAGRA, AMAVALE e AMURC).

Mais de trinta pessoas, entre prefeitos e representantes municipais, participaram do encontro, que teve como objetivo discutir propostas para o enfrentamento da crise. Os prefeitos chegaram à conclusão de que devem pressionar os governos federal e estadual para resolver antigos problemas cuja solução foi reivindicada desde o começo do ano pelos gestores municipais, a exemplo de queda da receita do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e a do Fundeb, suspensão de transferências para o transporte escolar, além de questões como a da segurança pública.

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) marcou uma reunião para o próximo dia 23 para mais uma vez levar a pauta de reivindicações dos municípios para o Congresso. Os prefeitos baianos, que já confirmaram presença em Brasília, vão promover no dia 5 de outubro outra mobilização, no auditório da UPB, para a qual estão convocando parlamentares (estaduais e federais), o governo e senadores.

No dia, como forma de protesto, as prefeituras vão fechar as portas na Bahia.

Segundo o presidente da UPB, Roberto Maia, este mês as prefeituras tiveram o menor repasse de verbas dos últimos três anos. “No primeiro semestre de janeiro a junho, as prefeituras brasileiras perderam algo em torno de R$ 970 milhões. Somente nos três primeiros meses do segundo semestre (julho, agosto e previsão de setembro), os municípios brasileiros vão perder algo em torno de 1,5 milhões de reais”, declarou Maia.

To Top
%d blogueiros gostam disto: