Economia

Usinas de cana-de-açúcar descumprem compromisso com Lula

Na Bahia, são duas encontradas durante fiscalização de rotina de procuradores do Trabalho. Os outros estados foram Minas e Mato Grosso.

Usinas de álcool e açúcar que assinaram o chamado “compromisso nacional da cana”, lançado no final de junho pelo presidente Lula, foram flagradas com irregularidades trabalhistas após as suas adesões.

A Folha cruzou a lista de empresas adeptas com relatórios de fiscalização feitas a partir de julho pelo Ministério Público do Trabalho. A reportagem localizou cinco usinas que aparecem nos dois documentos: uma em Minas Gerais, duas na Bahia e duas em Mato Grosso.

O compromisso, criado com o objetivo de aperfeiçoar as condições de trabalho nos canaviais, é de adesão voluntária. Ele foi construído por governo, empresários e representantes dos trabalhadores e tem sido usado pelo presidente para fazer propaganda do álcool combustível brasileiro no exterior.

Em recente fala na ONU, Lula disse que o compromisso assegura “o trabalho decente nos canaviais brasileiros”. Ele fará o mesmo na visita de hoje à Suécia, em encontros com governantes e com empresários.

Das 413 usinas do país, 331 já aderiram ao compromisso, que prevê, entre outros pontos, a contratação direta (o que acabaria com a terceirização), transporte seguro e gratuito e fornecimento de água potável e equipamentos de proteção individual aos trabalhadores. Alguns deles já estão previstos na legislação em vigor.

Falta de banheiro e água potável

De julho para cá, em fiscalizações de rotina, procuradores do Trabalho encontraram irregularidades em ao menos cinco empresas que aderiram ao compromisso. São elas: Agrovale (BA), Unial (BA), Planalto Agroindustrial (MG), Lambari Agropecuária Novo Milênio (MT) e Mirassol Agropecuária Novo Milênio (MT).

Nos relatórios do Ministério Público do Trabalho aparecem irregularidades como falta de banheiro, água potável, kits de primeiros socorros e equipamentos de proteção individual, além de alojamentos e transporte precários e regime de jornada exaustiva.

Leia mais na Folha de S. Paulo

To Top
%d blogueiros gostam disto: