Política

Servidores estaduais preparam onda de manifestações

Servidores Públicos estaduais da Bahia estão insatisfeitos com o reajuste salarial de 4% anunciado pelo governo do estado e já programam uma série de manifestações no início de 2010.

A primeira delas será uma marcha pela orla de Salvador, no sábado, dia 9/1, entre o Jardim de Alah e a Boca do Rio.

Nova manifestação também está organizada para o dia 14 de janeiro, durante a Lavagem do Bonfim. “Prevemos que este primeiro semestre será de muitas mobilizações”, anuncia Marinalva Nunes, presidente da Federação dos Trabalhadores Públicos do Estado da Bahia (Fetrab), entidade que reúne sindicatos e associações de 11 categorias.

“Vivemos um momento de profundo desalento entre servidores e o governo que ajudamos a eleger. Este aumento anunciado sequer foi discutido com as categorias”, completou ela. Para os servidores, o reajuste de 4%, além de insuficiente para recompor as perdas, provocará uma situação criticada em governos passados, que é a composição de salários com gratificações. “Como o aumento foi menor que o do salário mínio, quem tem o mínimo como salário-base vai complementar a renda com a gratificação”, explicou.

Exemplo desta situação está na Saúde que, em 2008, mudou a política de gratificações. “Tivemos avanços com a negociação de 2008, mas neste ano não sentamos para negociar e fomos surpreendidos com este aumento de 4%”, disse a diretora do Sindisaúde, Tereza Deiró.

Ela também criticou o argumento do governo de que o aumento foi limitado por que o Estado está no limite prudencial definido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. “Este limite deve ser respeitado, mas não pode prejudicar áreas básicas como a saúde, e hoje nesta área há a necessidade de concurso público”, reivindicou.

Custeio – O líder da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Heraldo Rocha (DEM), diz que a atual situação das finanças do Estado, com o alcance do limite prudencial para o pagamento de servidores é consequência do aumento do custeio da máquina pública na Bahia. “Houve a criação de várias secretarias e, recentemente, de duas secretarias extraordinárias.

Com o alcance do limite prudencial, o governo perde poder de negociação com os servidores. Algumas categorias já anunciaram indicativo de greve, como os policiais militares e civis e os professores do Ensino Superior.

Para o líder de governo na Assembleia, deputado Waldenor Pereira (PT), não há motivo para insatisfação. “O governo formalizou acordo com todas as categorias de servidores para 2009, 2010, 2011”. Para ele, as reivindicações são legítimas devido às perdas salariais dos últimos anos, mas os “esforços” do governo devem ser reconhecidos.

Com informações do Jornal A Tarde

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

To Top
%d blogueiros gostam disto: