Economia

Novas normas do governo federal beneficiam sisal, informa ministro Geddel

Interlocutor da luta anual dos produtores de sisal pelo reajuste do preço mínimo, o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, recebeu nesta quinta-feira (28) do seu colega da Agricultura, ministro Reinhold Stephanes, a notícia de que será alterada a forma de garantia da compra governamental dos estoques.

Ao invés de continuar aplicando o preço mínimo, que muitas vezes não acompanha as oscilações do mercado, o governo federal decidiu pela equalização dos preços, ou seja, um prêmio sobre o valor pago pelos exportadores para assegurar os ganhos de produção.

“É uma grande vitória dos produtores, exportadores e do setor industrial que participaram junto conosco desse debate. Continuarei acompanhando esse processo para que a compensação do preço beneficie, sobretudo os pequenos produtores”, afirmou o ministro que há quase uma década, desde quando exercia o mandato de deputado federal representa a região sisaleira nesta questão.

Cerca de 90% da produção brasileira está concentrada no sertão da Bahia, na região dos municípios de Valente e Conceição do Coité. As normas sobre a equalização do preço do sisal serão publicadas em portaria do Ministério da Agricultura amanhã (29). A portaria estimará um prêmio de R$ 0,27 por quilo sobre o valor do mercado. Dessa forma, o produtor que hoje vende o quilo da fibra ao exportador por R$ 0,77, passará a receber a compensação estipulada pelas normas da equalização.

Em contato direto durante a manhã com Reinhold Stefhanes, Geddel também anunciou que na próxima semana, dia 3 de fevereiro, técnicos da CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento) estarão em Salvador para assegurar a aplicação das novas regras.

“Fico feliz de ter podido ajudar os produtores de sisal e vou continuar trabalhando para recuperar o desenvolvimento da região”, afirmou Geddel, lembrando que nos anos 90, o Brasil chegou a produzir mais de 200 mil toneladas por ano e hoje a produção estimada fica em torno de 100 mil toneladas.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

To Top
%d blogueiros gostam disto: