Meio Ambiente

Déficit habitacional de Feira cai 16%

O déficit habitacional em Feira de Santana deve sofrer uma redução em torno de 16,36% ainda este ano, em função de ações que vêm sendo desenvolvidas no município desde o ano passado. Através de programas de incentivo à habitação popular, a exemplo do "Minha Casa, Minha Vida", destinada às famílias com renda entre zero a três salários mínimos, já estão em construção 3.927 unidades habitacionais.

O secretário de Habitação e Regularização Fundiária, Antônio Carlos Borges Júnior, observa que somente através do programa “Minha Casa, Minha Vida” estão em construção 3.700 unidades habitacionais. “Para construção destes imóveis, o Governo Municipal criou as Zonas Especiais de Interesse Social (Zeis), assegurando subsídios que reduzem significativamente os custos destas moradias”, ressaltou.

Das 3.700 unidades habitacional, 2.700 estão sendo construídas no bairro Mangabeira e outras mil no bairro Aviário e próximas ao conjunto Feira VII. Além destas casas oriundas do programa do Governo Federal, o Governo Municipal também está construindo 68 imóveis no bairro Papagaio, 99, no bairro Bem-Te-Vi e outras 99 unidades habitacionais, através de mutirão, no bairro Pedra do Descanso.

Dados estatísticos da Fundação João Pinheiro indicam um déficit habitacional em Feira de Santana em torno de 24 mil moradias para famílias com renda entre zero a três salários mínimos. Entretanto, somente o programa “Minha Casa, Minha Vida” captou o cadastro de 57 mil candidatos, que estão sendo disputados, através do perfil, pela Caixa Econômica Federal (CEF).

Os imóveis destinados às famílias de baixa renda ainda estão em fase de construção. As unidades habitacionais para quem ganha acima de três salários mínimos também estão atraindo muitos candidatos. Somente no ano passado foram concluídos 17 condomínios voltados para este público, resultando na oferta de mais de 6.500 moradias em 2009.

A expectativa para este ano, entretanto, é ainda maior. Isto porque antigamente as imobiliárias somente vendiam imóveis para as classes A e B e hoje o mercado está em ascensão para as moradias também destinadas aos públicos das classes C, D e E. Em Feira de Santana, o boom imobiliário vem sendo registrado de forma crescente ao longo desta década.

To Top
%d blogueiros gostam disto: