Polícia

150 dias de silêncio da PM sobre o assassinato dos professores em Porto Seguro

O duplo homicídio dos professores sindicalistas da APLB de Porto Seguro, ocorrido no dia 17 de setembro do ano passado, completou 150 dias sem solução, nem qualquer informação oficial sobre o crime.

O caso virou um sabonete molhado nas mãos da polícia, que escorrega a cada cobrança. Dirigentes da APLB já estiveram em Salvador com o secretário de Segurança Pública do Estado, César Nunes, mas voltaram da audiência frustrados.

Especulações circulam na cidade de que há políticos graúdos em Salvador impedindo o avanço das investigações. Mas, como diz o samba da escola campeã do Carnaval carioca, a Unidos da Tijuca: “Cuidado, o que se vê pode não ser… Será?”

Parece que a Justiça e o Ministério Público nada podem fazer sem a conclusão do inquérito. Enquanto isso, os algozes seguem impunes, e quem sabe, de arma em punho, bala na agulha, prontos para manter a lei da bala imperando na cidade mãe do Brasil.

Com informações do Blog Imprensa livre

To Top
%d blogueiros gostam disto: