Saúde

Feira – Ex-diretor geral denuncia caos no Hospital Clériston Andrade

O caos é uma constante nos hospitais públicos da Bahia. No Hospital Clériston Andrade, em Feira de Santana, um paciente com apendicite precisou recorrer ao Ministério Público para ser operado, depois de penar por vários dias.

Portadores de câncer de próstata também não conseguem fazer cirurgia. Várias pessoas aguardam na fila de regulação para realizar uma neurocirurgia, porque faltam equipamentos, leitos de UTI e material, embora  haja um recém-inaugurado centro cirúrgico para o procedimento.

“Essas denúncias não são de nenhum representante da oposição ao governo estadual, mas do ex-diretor geral do Hospital Clériston Andrade, o médico Eduardo Leite, que, por mais de um ano, dirigiu o estabelecimento público de saúde a convite do secretário Jorge Solla”, destaca o deputado estadual Heraldo Rocha (DEM).

Em entrevista ao radialista Dilton Coutinho, no programa Acorda Cidade, da ádio Sociedade de Feira de Santana, o médico Eduardo Leite manifestou sua indignação com a situação da saúde pública no estado. Autor do livro “Política e Corrupção na Saúde – Parte II” (www.politicaecorrupcaonasaude.blogspot.com), ele não poupa críticas a falta de planejamento do atual governo.

“O que se vê é falta de planejamento, de interesse e o uso podre da moeda política. O Governo estadual não tem planejamento. Investe mal na saúde, de maneira atrapalhada, aloprada e irresponsável. Gasta muito dinheiro em propaganda. Foram mais de R$ 100 milhões no ano passado. Esse dinheiro faz alta para reformar uma cozinha de hospital, construir novos leitos de UTI e para contratar mais médicos”, reclama o ex-colaborador do secretário Jorge Solla.

Segundo o médico Eduardo Leite, foi inaugurado um novo centro cirúrgico no

Hospital Clériston Andrade que não funciona, porque não tem funcionários suficientes, embora haja 10 carros de anestesias comprados ao valor de R$ 70 mil cada um. “Apesar dos milhões investidos, o Hospital da Criança de Feira de Santana, que deverá ser inaugurado este ano, por interesse eleitoral, vai ter o mesmo destino. Não terá equipe para prestar o atendimento devido”.

Por não aceitar a falta de planejamento e incompetência do atual governo na gestão da saúde pública, o médico Eduardo Leite deixou a direção do Hospital Clériston Andrade, em 15 de julho de 2008. “Infelizmente, o atual governo de Jaques Wagner está cometendo o crime de roubar a esperança que restava ao povo sofrido e desassistido de ter uma saúde pública digna”, afirma.

To Top
%d blogueiros gostam disto: