Polícia

Manifestações marcaram fim de semana em Vitória da Conquista

O último final de semana de fevereiro de 2010 foi marcado por manifestações da onda de violência que tomou conta da cidade e suas respectivas conseqüências. Tudo começou no dia 28 de janeiro quando o policial Marcelo Marcio Silva Lima foi assassinado com tiros de revolver na cabeça. A morte do policial foi seguida por uma onde de violência que tomou conta da cidade por cerca de dez dias seguidos.

As manifestações ocorreram em vários pontos da cidade. Algumas das manifestações reivindicavam a volta dos policiais encaminhados para a capital baiana sob a acusação de terem praticado homicídios em Vitória da Conquista.

PROTESTO I

Na manhã da última quinta-feira (25) um grupo de pessoas formado por familiares, Associação de Policiais e membros da comunidade conquistense se dirigiram a sede do Ministério Público do estado da Bahia munidos de carro de som, reivindicando o retorno de quatro soldados que foram encaminhados para Salvador.

A manifestação também foi marcada por críticas ao governador o estado, Jaques Wagner. De acordo com o Diretor da JUSPM (Centro de Assistência ao Policial Militar), David Salomão, a manifestação teve caráter pacífico. “A polícia pode ir para as ruas, mas ninguém vai trabalhar. Vamos fazer corpo mole até os nossos colegas voltarem”, gritou um PM à paisana. Durante a manhã, a cidade ficou sem policiamento ostensivo.

PROTESTO II

Na tarde da última sexta feira, uma caminhada promovida por diversas entidades como  o Movimento Unificado de Associações de Moradores de Vitória da Conquista, o Conselho Municipal de Direito da Criança e do Adolescente (COMDICA) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) realizaram um ato público na praça Barão do Rio Branco intitulado “Caminhada Pela vida, contra a violência. Justiça já”

A caminhada teve dois pontos de concentração: um no lado oeste da cidade – Seminário Nossa Senhora de Fátima – e outro no lado leste – Praça Gerson Sales. Os participantes se encontraram na Praça Barão do Rio Branco para realizarem um ato público, que começou por volta das 16h.

O secretário de Desenvolvimento Social, Edwaldo Alves, demonstrou preocupação com o crescimento da violência em Conquista,“Repudiamos atos violentos e infracionários aos Direitos da Criança e do Adolescente e queremos encontrar soluções que minimizem a violência na cidade”, afirmou.

Durante a ocasião, diversas autoridades marcaram presença como o Arcebispo Metropolitano de Vitória da Conquista, Dom Luiz Gonzaga Pepeu, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)– Subseção de Vitória da Conquista, Gutemberg Macêdo Júnior, além de vereadores e representantes de entidades sociais do município.

PROTESTO III

Durante o sábado, faixas foram espalhadas por vários cantos da cidade de Vitória da Conquista várias faixas espalhadas pela cidade a favor dos policiais de Vitória da Conquista, considerados os principais suspeitos dos homicídios. Numa delas, localizada no centro da cidade continha os seguintes dizeres: “A quem interessa a desmoralização da PM”? Em outra faixa localizada no bairro Brasil estava escrito a seguinte frase: Todos defendem os bandidos. E quem defende a Polícia?

Por Ramon Gusmão-Correspondente na Região Sudoeste

To Top
%d blogueiros gostam disto: