Esporte

Pituaçu é afetado por praga e passa por reformas no gramado

A previsão para a reabertura do estádio em condições ideais é o final deste mês. Gramado foi atingido por uma espécie de grilho.

O combate à infestação de pragas no gramado do Estádio de Pituaçu continua. Depois da realização de um estudo técnico sobre as condições do campo, a Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (Sudesb) está garantindo as medidas necessárias para a recuperação do gramado.

O estudo foi realizado pela empresa Greenleaf Gramados, que há 15 anos é responsável pela manutenção de grandes estádios, como o Maracanã e o João Havelange (Engenhão). A praga detectada foi o inseto paquinha, uma espécie de grilo que se alimenta da raiz da grama, afrouxando e danificando o gramado.

“Aplicamos um defensivo biológico de maneira técnica e vamos regularizar a altura e a frequência de corte da grama para recompor toda a área. Além disso, estamos replantando as áreas danificadas pelo inseto”, explicou o engenheiro agrônomo responsável pela ação, Alexandre Vieira.

Ele afirmou que não há um motivo central para o desenvolvimento da praga, que age em revoada, no Pituaçu. Tanto a proximidade do estádio com a mata, como a umidade do Nordeste não são fatores principais da chegada do inseto, cujo combate está respeitando todas as normas de preservação ambiental.

Para o superintendente da Sudesb, Raimundo Nonato (Bobô), a manutenção do gramado terá continuidade sem prejudicar a rotina do estádio. “O cronograma está sendo seguido de acordo com a elaboração técnica do engenheiro. O trabalho de recomposição do gramado está intenso e é bom lembrar que desde a abertura até janeiro deste ano não tivemos nenhum problema”, disse.

Da Agecom

To Top
%d blogueiros gostam disto: