Polícia

Interior sofre com extermínio de jovens e ausência de políticas públicas

A droga é a grande culpada pelo extermínio de tantos jovens e suas respectivas ligações com o crime. Mas ausência dos pais e do poder público é o que propicia.

Kleiton de Jesus Santos, 16 anos, foi morto com seis tiros porque não pagou a traficantes pela droga consumida. O enterro dele, na última quinta-feira, mobilizou dezenas de jovens do bairro Maria Pinheiro, um dos três mais violentos de Itabuna (a 433 km da capital, região sul), onde ele morava. Segundo os pais, até os 10 anos Kleiton foi um menino ativo, alegre e frequentava a escola. Aos 12, envolveu-se com o tráfico, passou a roubar para sustentar o vício e comprar roupas de grife, até ser executado, próximo de casa.

A história dele, que se repete todo dia, pode atingir os mais de cinco mil adolescentes (número estimado pela Secretaria de Assistência Social) que vivem em situação de risco no município, sem o cuidado dos pais nem do poder público.

Na cidade do País onde os jovens de 12 a 21 anos estão mais vulneráveis à violência, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, do Ministério da Justiça, dados da Polícia Civil dão conta de que, dos 854 crimes registrados nas delegacias no ano passado, 159 envolviam adolescentes, o equivalente a 22,8% do total de ocorrências. A maioria motivada pelo tráfico de entorpecentes.

Para Vanúbia Pereira da Silva, mãe de dois filhos e vizinha de Kleiton, faltam atividades para as crianças e jovens depois que chegam da escola. Não há áreas de lazer, e a maioria deles fica na rua, jogando bola e expostos ao assédio dos traficantes. Outra moradora, Sueli Vieira Maciel, tem um filho viciado que foi internado várias vezes. E ela não sabe o que fazer para recuperá-lo.

Leia mais no A Tarde

To Top
%d blogueiros gostam disto: