Política

Charge ofensiva a Lula em uma prova rende outra polêmica em Minas Gerais

Desenho usado em prova do governo de Minas que difama Lula e o PT foi extraída da internet, depois de publicação em jornal com outro teor. Mas professor responsável pelo teste nega tê-la adulterado.

Mais uma discussão envolvendo a prova do Programa de Avaliação de Aprendizagem Escolar (PAAE) aplicada pelo governo do estado aos alunos do primeiro ano do ensino médio da rede pública.

Depois de ter uma de suas questões contestadas pelo PT, sob a acusação de que o enunciado da pergunta associava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à corrupção, conforme revelou com exclusividade o Estado de Minas, em sua edição de quinta-feira, a nova denúncia é de que a charge que ilustra a questão da prova é diferente da versão original feita pelo cartunista Jean. Na questão, os alunos tinham de analisar a charge.

O desenho original, publicado em 2007, mostrava o presidente Lula distribuindo um papel onde se lia a palavra “cargos” e tinha como título CPMF. Na versão que saiu na prova, o título é “Operação Abafa” e nela Lula aparece distribuindo dinheiro a supostos parlamentares.

A pergunta considerada correta para a questão diz que a charge intitulada “Operação Abafa” sugere “ironicamente uma relação entre os movimentos sindicais da década de 1980 e o mensalão, refletindo sobre o processo histórico que levou os mesmos personagens a uma luta pela valorização do trabalhador à corrupção política”.

A versão do autor

O autor da questão criticada pelo PT, o professor de História Frederico Pinho, nega que a charge tenha sido adulterada por ele ou por alguém do governo do estado com a intenção de prejudicar a imagem de Lula e do PT. Segundo ele, a charge foi retirada por ele de um site que publica desenhos de cartunistas de todo o Brasil.

“Essa charge nunca foi modificada por mim. Alguém pode ter feito essa modificação antes de publicá-la no site, mas não fui eu”. A polêmica charge foi retirada por Frederico de um site que não está mais em funcionamento e que era mantido por um cartunista do Paraná, Alberto Benett, colaborador do jornal Gazeta do Povo.

Benett conta que inseria neste site esboços e desenhos não publicados em órgãos de imprensa feitos por cartunistas de diversos locais do Brasil, entre eles o autor da charge publicada na prova.

Depois de tanta polêmica e da decisão do governo de Minas de suspender todas as provas do PAAE, a Secretaria da Educação anunciou que vai criar um conselho para analisar todos os exames a serem aplicados na rede pública de ensino. O conselho será responsável por barrar questões consideradas inadequadas por apresentarem, por exemplo, conotação religiosa, racial ou ideológica.

Nessa sexta-feira, o bloco de oposição ao governo de Antonio Augusto Anastasia (PSDB) na Assembleia enviou ofício à presidente da República, Dilma Rousseff (PT), relatando o episódio da charge utilizada na prova do PAAE. Informações do Estado de Minas.

To Top
%d blogueiros gostam disto: