Especial

Santa Cruz e Náutico decepcionam e continuam na Série C

Com 104 anos de história, o Santa Cruz carrega grandes feitos que orgulham a sua torcida. Desde 2008, porém, o clube passou a criar uma ligação amarga com o porão do futebol brasileiro. Foi neste ano que a equipe passou a frequentar a Série C de maneira preocupante. Neste domingo (26), no estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa (PR), diante do Operário, teve a oportunidade de deixar essa indesejada relação para trás. Precisava de um empate.

No entanto, falhou. E falhou feio. Sem mostrar qualquer força que respeite a sua tradição, a equipe acabou derrotada por 3 a 0, nas quartas de final, e termina a temporada de 2018 em pleno mês de agosto. Já o rival garante uma vaga na Séria B no próximo ano.

Após criar apenas duas chances nos primeiros minutos de partida, o time pernambucano se desmantelou em campo e não conseguiu criar lances ofensivos. Tampouco soube se defender e sofreu gols de Alisson, Schumacher e Dione. Cada vez que as redes balançavam, vinha a certeza de que o time tricolor terá que disputar a Série C pela quinta vez na história. Fruto de um ano em que a equipe sofreu para superar os mata-matas, sendo eliminado precocemente no Pernambucano, Copa do Brasil, Copa do Nordeste e, agora, no Campeonato Brasileiro.

Náutico também decepciona

Campeão estadual, dono da maior reação na história da Série C e com uma gestão executiva organizada. Até os salários, antes motivo de preocupação, estavam em dia. Tudo conspirava a favor. A temporada do Náutico começou vitoriosa, passou por algumas barreiras e poderia ser finalizada com o acesso à Série B. Mas o roteiro que daria uma grande história de superação esbarrou na falta de sorte e em aproveitar as oportunidades. O Timbu fracassou diante do Bragantino e empatou em 1×1, na tarde deste domingo (26), na Arena de Pernambuco, pelo duelo de volta das quartas de final da Série C – a ida foi 3×1 para o time paulista. Em 2019, disputará a terceira divisão novamente. Assim, o ano termina de forma precoce e melancólica para os alvirrubros.

Impulsionado por mais de 25 mil torcedores na Arena, o Náutico começou elétrico. Mas o cronômetro era inimigo dos alvirrubros, que precisavam vencer por dois gols de diferença para ao menos levar a decisão para as penalidades. Contudo, com o time recuado, o empate era tudo o que o Bragantino queria para segurar a vaga e avançar para a Série B em 2019. (Com informações do Diário de Pernambuco e Folhape).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

To Top
%d blogueiros gostam disto: