Política

Dallagnol sugeriu que Sergio Moro protegeria Flávio Bolsonaro no Coaf

Mensagens atribuídas ao coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, feitas via Telegram, mostram que ele desconfiou de como seria a conduta de Sergio Moro frente às investigações contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

Acusado, Flavio Bolsonaro desapareceu da mídia (Foto: Adriano Machado / Reuters)

Dallagnol e outros procuradores concordaram, durante chats trocados no grupo “Filhos do Januario 3”, com a tese do Ministério Público Federal de que Flávio mantinha 1 esquema de corrupção em seu gabinete quando foi deputado estadual no Rio. “É óbvio o q aconteceu”, escreveu Dallagnol.

Segundo os procuradores que investigam o filho 01 de Bolsonaro, o esquema, operado pelo ex-assessor Fabrício Queiroz, seria de que funcionários fantasmas foram empregados no gabinete do então deputado estadual. Em troca eram recolhidos parte do salário deles como contrapartida –a chamada rachadinha.

As mensagens são de 8 dezembro de 2018 e foram divulgadas pelo The Intercept neste domingo (21.jul.2019). Moro e Dallagnol tiveram o conteúdo de conversas atribuídas a eles divulgadas pelo site em uma série de reportagens no caso que ficou conhecido como Vaza Jato. Os 2 contestam a autenticidade das mensagens, mas não indicam os trechos que seriam verdadeiros e falsos.

Dallagnol postou no grupo “Filhos do Januario 3” sobre 1 depósito de R$ 24.000 feito por Queiroz numa conta em nome da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Segundo relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão de janeiro de 2016 a janeiro de 2017.

“Falo nada … Só observo ”, escreveu a  procuradora Jerusa Viecilli no grupo.

“Moro deve aguardar a apuração e ver quem será implicado. Filho certamente. O problema é: o pai vai deixar? Ou pior, e se o pai estiver implicado, o que pode indicar o rolo dos empréstimos?”, questionou Dallagnol. “Seja como for, presidente não vai afastar o filho. E se isso tudo acontecer antes de aparecer vaga no supremo?”, questionou novamente Dallagnol.

“Tem que investigar. E isso que ele sempre diz. Na pior das hipóteses, Podem ir os anéis (filho e mulher), mas ficam os dedos. Seria muito traumático o general assumir no lugar dele”, escreveu outro procurador.

Eis a seguir os diálogos divulgados (o Poder360 transcreve as mensagens como foram publicadas, sem correções gramaticais):

8 de dezembro de 2018 – grupo Filhos do Januario 3

  • Deltan Dallagnol – 00h56min50 – Bolsonaro diz que ex-assessor tinha dívida com ele e pagou à primeira-dama.
  • Dallagnol – 0h58min15 – [imagem não encontrada]
  • Dallagnol – 0h58min15 – [imagem não encontrada]
  • Dallagnol – 0h58min38 – COAF com Moro
  • Dallagnol – 0h58min40 – Aiaiai
  • Julio Noronha – 00h59:34 – 🙈🙈🙈
  • Dallagnol – 1h4min40 – [imagem não encontrada]
  • Januário Paludo – 07h1min20 – Isso lembr
  • Paludo – 7h1min48 – Lembra algo Deltan?
  • Paludo – 7h3min8 – Aiaiai
  • Jerusa Viecilli – 7h5min24 – Falo nada … Só observo
  • Dallagnol – 8h47min52 – Kkk
  • Dallagnol – 8h52min1 – É óbvio o q aconteceu… E agora, José?
  • Dallagnol – 8h53min37 – Moro deve aguardar a apuração e ver quem será implicado. Filho certamente. O problema é: o pai vai deixar? Ou pior, e se o pai estiver implicado, o que pode indicar o rolo dos empréstimos?
  • Dallagnol – 8h54min21 – Seja como for, presidente não vai afastar o filho. E se isso tudo acontecer antes de aparecer vaga no supremo?
  • Dallagnol – 8h58min11 – Agora, Bolso terá algum interesse em aparelhar a PGR, embora o Flávio tenha foro no TJRJ. Última saída seria dar um ministério e blindar ele na PGR. Pra isso, teria que achar um colega bem trampa
  • Athayde Ribeiro Costa – 8h59min41 – É so copiar e colar a ultima denuncia do Geddel
  • Roberson Pozzobon – 9h2min52 – Acho que Moro já devia contar com a possibilidade de que algo do gênero acontecesse
  • Pozzobon – 9h03min19 – A questão é quanto ele estará disposto a ficar no cargo com isso ou se mais disso vir
  • Dallagnol – 9h4min38 – Em entrevistas, certamente vão me perguntar sobre isso. Não vejo como desviar da pergunta, mas posso ir até diferentes graus de profundidade. 1) é algo que precisa ser investigado; 2) tem toda a cara de esquema de devolução de parte dos salários como o da Aline Correa que denunciamos ou, pior até, de fantasmas.
  • Dallagnol – 9h5min54 – Agora, o quanto ele vai bancar a pauta Moro Anticorrupcao se o filho dele vai sentir a pauta na pele?
  • Andrey Borges de Mendonça – 9h21min16 – Uma vez pedi no caso da custo brasil e o pt alegou q era impenhorável segundo a lei eleitoral. O juiz acabou desbloqueando sem ouvir a gente. Mas confesso q nao sei se procede.
  • Paludo – 9h37min52 – Tem que investigar. E isso que ele sempre diz. Na pior das hipóteses, Podem ir os anéis (filho e mulher), mas ficam os dedos. Seria muito traumático o general assumir no lugar dele.
  • Viecilli – 10h6min32 – [imagem não encontrada]
  • Viecilli – 10h6min51 – 😂😂😂
  • Dallagnol – 10h22min31 – Rsrsrs
  • Dallagnol – 10h39min47 – [imagem não encontrada]
  • Dallagnol – 1041min04 – [imagem não encontrada]
  • Antonio Carlos Welter – 10h52min11 – O $$ termina na conta da esposa. Vao argumentar que alimentou a campanha. Periga terminar em AIME

O CASO DE FLÁVIO E QUEIROZ

Relatório do Coaf, fruto do desdobramento da operação Furna de Onça, ligada à Lava Jato no Rio, apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), entre eles, Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro.

Segundo o documento, 8 assessores e ex-assessores de Flávio Bolsonaro fizeram depósitos na conta bancária de Queiroz. A ação levantou a suspeita de recolhimento de parte do salário de funcionários do gabinete do filho mais velho do presidente. O senador nega a prática em seu gabinete.

O ex-assessor do filho mais velho do presidente também teria movimentado, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017, R$ 1,2 milhão. Uma das transações era 1 cheque de R$ 24.000, que foi destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Queiroz foi funcionário de Flávio Bolsonaro por uma década como motorista e segurança do parlamentar. Também é amigo do presidente Jair Bolsonaro desde 1984. Segundo o presidente, ele emprestou a Fabrício Queiroz “mais de uma vez” e a movimentação aponta, na verdade, transferência de 10 cheques de R$ 4 mil.

O caso está parado. Em 18 de julho, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, determinou a suspensão de todas as investigações, que foram baseadas em dados fiscais repassados pelo Coaf e pela Receita Federal ao MP sem autorização judicial. (Fonte: Poder 360).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas