História

Há 30 anos morria Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, em Recife (PE)

Nesta sexta-feira, 2 de agosto de 2019, completam 30 anos da morte de Luiz Gonzaga. O Rei do Baião morreu em Recife (PE) no dia 2 de agosto de 1989. A sua morte causou um grande pesar em todo o Nordeste. Seu corpo foi levado de Recife para Juazeiro do Norte (CE), por ser a terra do Padre Cicero, por quem tinha grande devoção. Depois, foi trazido para o velório e sepultamento em Exu (PE), cidade onde ele nasceu em 13 de dezembro de 1912.

O corpo de Luiz Gonzaga foi sepultado em Exu, sua terra natal (Foto: Diário do Nordeste)

Luiz Gonzaga era filho de Januário José dos Santos do Nascimento e Ana Batista de Jesus Gonzaga do Nascimento (Santana). nasceu na fazenda Caiçara, região do Araripe, Exu.

Gonzaga deixou Exu com 18 anos incompletos para servir o exército em Fortaleza (CE). depois de percorrer o Brasil, se fixou no Rio de Janeiro, onde começou a sua carreira.

Luiz Gonzaga adotou a cultura nordestina nas suas canções e na forma de vestir

Em 1945, gravou a sua primeira canção, Dança Mariquinha. Depois ele fez parceria com o advogado Humberto Teixeira, conquistando grande sucesso com músicas como ‘Asa Branca’ e ‘Juazeiro’, entre outras. outro grande parceiro de Luiz Gonzaga foi o médico Zé Dantas, com quem compôs ‘A volta da asa branca’, também de grande sucesso.

Luiz Gonzaga foi casado com Odaléia Guedes dos Santos, depois se separou e casou a professora pernambucana Helena Cavalcante.

Gonzaga fez uma parceria de sucesso com o cearense Raimundo Fagner (Foto Divulgação)

Durante décadas, a música do Rei do Baião alcançou grande repercussão em todo o país, mas entre os nordestinos ela teve um valor especial em décadas passadas: sofrendo no Sul, os retirantes matavam a saudade de casa ouvindo Luiz Gonzaga. A ‘Triste Partida’, música de Patativa do Assaré que retrata a fuga para São Paulo, era uma das canções que o rádio tocava.

Luiz Gonzaga cantou de tudo, principalmente sobre a cultura nordestina. Abaixo, a canção Assum Preto, de autoria com Humberto Teixeira:

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas