Polícia

Tragédia em Salvador: quatro motoristas de Uber são assassinados

Os quatro motoristas de aplicativos achados mortos nesta sexta-feira (13) de manhã na Mata Escura foram torturados antes de serem executados. Os corpos foram achados depois que um quinto motorista conseguiu fugir e acionou a polícia.

Local onde corpos foram achados (Bruno Wendel/CORREIO

As vítimas foram identificadas como Alisson Silva Damascena dos Santos 27 anos, Sávio da Silva Dias, 23, Daniel Santos da Silva, 30, e Genivaldo da Silva Félix, 48.

Segundo as primeiras informações, os motoristas foram atraídos para o local por chamadas feitas por duas travestis, que acabaram se provando uma emboscada. Ao chegar na comunidade, os motoristas eram rendidos por um trio ainda não identificado. 

“Ele escapou depois de conseguir se livrar de um dos assassinos e se jogar num matagal. Ele chegou a ser perseguido, mas não conseguiram pegá-lo”, diz um agente do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que estava na cena do crime hoje pela manhã.

Depois que o motorista fugiu, ele encontrou policiais do Batalhão de Guardas do Presídio da Mata Escura e contou que tinha sofrido um ataque. Afirmou ainda que seu carro havia sido abandonado na localidade. Policiais da 48ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Sussuarana) foram então até lá averiguar a denúncia.

Lá, encontraram uma cena de crime maior do que esperavam – e mais macabra. Quatro corpos estavam em sacos. Além do carro do motorista que escapou, acharam outro veículo abandonado próximo. Um rastro de sangue levava para um barraco próximo. Um gambá estava morto em cima de uma cama nos fundos do imóvel. Várias poças de sangue estavam espalhadas no local. “Foi aqui que eles foram torturados e mortos”, afirma o perito médico Marcos Mousinho, do Departamento de Polícia Técnica (DPT). 

A polícia acredita que as vítimas foram mortas de maneira separada. “Eram quatro corpos enrolados em lonas e todos apresentavam golpes de facão. A informação que chegou à Polícia Civil é que todas as vítimas eram motoristas de aplicativo, que foram atraídos para o local, colocados em cativeiro por algumas horas, torturados, e executados separadamente”, explica Mousinho.

Procurada, a 99 informou que está apurando o caso. Através de nota, a empresa lamentou profundamente a situação e diz que se solidariza com as famílias das vítimas. “A plataforma reitera que repudia veemente esse tipo de violência e está disponível para colaborar com as investigações da polícia”, afirmou. Apesar do comunicado, a 99 não confirmou se os condutores faziam parte do banco de motoristas do aplicativo. 

A assessoria da Uber confirmou que alguns dos motoristas faziam parte da plataforma, mas não deu dados individuais. A empresa afirmou em nota que também está ajudando as autoridades policiais na apuração do caso. “A Uber lamenta profundamente o crime brutal e chocante ocorrido em Salvador e se solidariza com os familiares e entes queridos das vítimas nesse momento de consternação”, diz o pronunciamento.

Detalhes

Os motoristas que foram assassinados nesta sexta-feira em Mata Escura não foram as primeiras vítimas no bairro. Há quatro meses, outro motorista foi abordado por criminosos e deixou a região sob tiros. 

O trabalhador estava na manifestação que a categoria realizou nessa sexta, na região do Iguatemi, mas pediu para não ser identificado. Ele contou que estava com um passageiro.

“Era por volta das 23h. Eu ia deixar ele dentro do bairro, mas quando a gente estava chegando um grupo de homens surgiu. Foi tudo muito rápido. Eu nem vi de onde eles vieram. Quando percebi e manobrei, foi quando eles começaram a atirar. A gente escapou por pouco”, contou. 

Ele disse que deixou o passageiro na entrada do bairro e seguiu viagem. “No dia seguinte procurei a empresa e relatei o que aconteceu. Pedi que dessem um alerta para os colegas evitarem o bairro, mas sabe o que eles [empresa] fizeram? Nada”, afirmou.

Os motoristas cobraram também um posicionamento da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e empenho na investigação. Eles pediram ainda que as empresas de transporte por app tenham um processo mais criterioso na seleção dos clientes.

Carros
Quatro dos cinco carros das vítimas, incluindo a que sobreviveu, foram achados pela polícia. Um deles estava abandonado no Centro Industrial de Aratu (Cia). Os demais estavam ainda na comunidade Vida e Paz – dois deles, o Renault Sandero vermelho (PJU-2880), e o Hyundai HB20 (PKL 5B28) estavam próximos de um matagal. Já o Fiat Uno (OVA 9B99) estava estacionado dentro de uma garagem de um barraco vazio – a polícia está à procura também do proprietário da moradia. 

Apesar das informações de que se tratam de motoristas de aplicativo, a polícia diz que ainda está em contato com a Uber e a 99 para confirmar que as vítimas estavam nos cadastros dessas empresas. “A informação preliminar é que todas as vítimas são motoristas de aplicativo. Já conversamos com alguns parentes, mas estamos confirmando com as empresas Uber e Pop”, declarou o delegado Jesus Barbosa, responsável pelo levantamento cadavérico. (Fonte: Correio da Bahia).

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas