História

Artigo de Alexandre Brust: PDT: 40 anos de socialismo moreno

A fundação do Partido Democrático Trabalhista, que completa 40 anos neste 26 de maio, é motivo de grande orgulho para nós trabalhistas brasileiros, desde quando sustentamos por todo esse tempo um pensamento político que até hoje nos coloca, apesar dos anos passados, ainda na vanguarda do protagonismo político brasileiro.

Alexandre Brust é o principal responsável pela implantação do PDT na Bahia

De alguma forma, enquanto herdeiros de Leonel Brizola – nosso grande fundador e inspirador dos ideais político e humanistas que defendemos até hoje – incorporamos à nossa presente ação no PDT toda a tradição trabalhista brasileira iniciada em 1945 quando, sob a inspiração do presidente Getúlio Vargas, foi criado o Partido Trabalhista Brasileiro – PTB, reunindo em seu programa os avanços conquistado pelos trabalhadores em todo mundo. O trabalhismo nascia como fruto das esperanças humanitárias da Revolução de 1930, da inspiração de Getúlio, como uma ação necessária à evolução do processo social brasileiro e à garantia dos direitos das grandes massas daqueles que são em nosso país: os deserdados de tudo.

Depois da Anistia em 1980, Brizola, legítimo herdeiro de Getúlio, de Jango e da tradição trabalhista brasileira comandava o PTB, refundado em Lisboa, em 17 de junho de 1979, mas por uma manobra dos militares brasileiros que temiam a sua influência, perde ilegitimamente a sigla PTB. Nessas circunstâncias ele cria o PDT.

Brizola volta triunfalmente do exílio para fundar o PDT e dar sequência ao trabalhismo

Dessa forma o PDT é o seguimento natural desta bela história de heroísmo e disposição política para enfrentar e vencer os valores antidemocráticos e desumanos que ainda escravizam o trabalho ao capital no Brasil, opondo a estes os valores humanistas e democráticos tão bem representados pela simbologia da mão segurando a rosa – que se tornou a marca oficial do PDT e é o emblema símbolo da Internacional Socialista, entidade da qual orgulhosamente somos o único partido brasileiro a fazer parte.

Ciro Gomes com Lupi e outras lideranças, na sepultura de Brizola: nos passos do trabalhismo

Toda esta história e, aliás, toda a história do surgimento do trabalhismo brasileiro de Getúlio a Jango e depois a Brizola e a história do nascimento do PTB e do PDT, eu – juntamente com o meu parceiro, o jornalista Nilton Nascimento – contamos nos dois volumes da Biografia Política de Leonel Brizola, livros que publicamos entre 2015 e 2019. E, certamente, a história do heroísmo pátrio desses três homens que contamos nestes livros, ainda falta ser escrita pelo povo brasileiro. Especialmente nestes dias em que, mais uma vez, vivemos sufocados e à mercê do aventureirismo político de dirigentes nacionais e de militares, mais uma vez, em nada comprometidos com o interesse nacional e muito menos com os interesses do povo brasileiro.

Darcy Ribeiro foi outra figura que ajudou a abrilhantar a história do PDT

Nesse sentido o PDT ainda é o único partido brasileiro com história, programa e determinação política para assumir as grandes causas nacionais e implantar em nosso país a “novidade” perseguida por Getúlio, Jango e Brizola do Walfare State*, que por aqui, até hoje, ainda não chegou.

Nestes 40 anos de existência política no quadro partidário nacional o PDT – pelo seu programa avançado – ainda representa a verdadeira Reforma Nacional. Ainda continua a manter nos dias atuais a genética da grande sementeira mundial de ideias e ideais em benefício do povo brasileiro. E como pensava Brizola, cujo centenário estaremos comemorando em janeiro de 2022, o PDT continua existindo para dar voz aos que não tem voz. Nossa ancoragem é a área deserdada da população. Nosso guia é o interesse público e o bem comum. Somos a expressão brasileira do socialismo democrático moderno. Somos o socialismo moreno.

12 de maio de 2020

 *Hari Alexandre Brust é ex-presidente da Executiva do PDT na Bahia

To Top
%d blogueiros gostam disto: