Saúde

Bolívia e Chile fecham fronteiras com Brasil para conterem a Covid

A Bolívia e o Chile foram, nesta quinta, os últimos países da região a anunciarem a suspensão do trânsito de pessoas com o Brasil para conter o avanço da Covid-19. No caso chileno, que lida com um acentuado surto, as restrições valerão para todas as suas fronteiras terrestres e aéreas durante o mês de abril, enquanto no boliviano, o bloqueio é exclusivo para os limites com o Brasil e tem duração inicial de uma semana a partir de sexta.

Fronteira entre o Brasil e a Bolívia, em 31 de março, foi bloqueada por bolivianos em protesto ao aumento do preço da carne Foto: iShoot / Agência O Globo

As medidas vêm após o alerta da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) sobre os riscos da crise sanitária em território nacional agravarem a situação em todo o continente. Março foi o pior mês da pandemia no Brasil, com mais de 66 mil mortes — mais que o dobro de julho de 2020, o mês mais letal até então

Junto com o Paraguai, Chile e Bolívia eram, na prática, as únicas nações da região que ainda permitiam a ida e vinda de brasileiros, mesmo com restrições. Segundo o presidente boliviano, Luis Arce, que anunciou o fechamento temporário da fronteira de 3,4 mil km pelo Twitter, a medida se faz necessária para “proteger a população”. Não está claro, no entanto, se as restrições também se aplicarão a viagens aéreas.

De acordo com o presidente, comunidades fronteiriças em que “se verificou a circulação de variantes” oriundas do Brasil serão “encapsuladas” ou postas em quarentena. No início da semana, La Paz já havia ordenado o início das campanhas de vacinação em regiões fronteiriças com o Brasil, onde vem se constatou recentemente aumento de casos, diante de temores das novas cepas.

Há uma preocupação especial com a variante amazônica, a P.1, mais contagiosa, que foi descoberta primeiramente em Manaus. Até o momento, ela já foi encontrada em ao menos 15 países e territórios das Américas, incluindo Bolívia, Venezuela, Chile, Uruguai, Colômbia e Paraguai. (Fonte: O Globo).

To Top
%d blogueiros gostam disto: