Cultura

II Flican teve mesa de debates com Antonio Olavo, Sergio Guerra e Evandro Teixeira no segundo dia

O segundo dia da II Feira Literária de Canudos (Flican) aconteceu nesta sexta-feira (09) com ricos debates sobre a Guerra de Canudos, um dos temas mais estudados no Brasil na atualidade. O evento começou na quinta-feira (08) e termina neste sábado (10).

Antonio Olavo e Sergio Guerra durante a I Flican (Foto: Evandro Matos)

Nesta sexta, à noite, a mesa “Museu João de Régis: Olhares e vertigens na memória” contou com as participações do professor e historiador Sérgio Guerra, do fotografo Evandro Teixeira e do cineasta Antonio Olavo.

Sérgio Guerra falou sobre o acervo fotográfico de Flávio de Barros, que foi um dos poucos a registrar imagens da Guerra de Canudos e autor da única foto conhecida de Antônio Conselheiro. Já o consagrado fotógrafo Evandro Teixeira, um dos homenageados da feira, falou sobre o seu trabalho desenvolvido a partir da temática de Canudos, inclusive revelando a doação deste acervo para o Museu João de Régis.

Por fim, Antônio Olavo discorreu sobre dez fotografias de sua autoria, registradas a partir do final dos anos 80 sobre personagens do cotidiano de Canudos, todos com um envolvimento direto ou indireto com a “Guerra”.

“As três participações enriqueceram o evento, porque, apesar da objetividade, os debatedores conseguiram passar uma mensagem bastante esclarecedora sobre os temas propostos”, comentou o jornalista Evandro Matos, que acompanha o evento desde o primeiro dia.   

Sérgio Guerra debateu a imagem de Conselheiro, um registro de Flávio de Barros

A Feira conta com a participação de autores, artistas e pesquisadores que se debruçam sobre os aspectos históricos, místicos e o impacto desse símbolo de luta e resistência, no contexto contemporâneo do país. No primeiro dia, o evento contou com debates com o Professor Manoel Neto (do Centro de Estudos Euclydes da Cunha da Uneb) e do escritor Eldon Dantas Canário, dentre outros.

Encerramentos

Neste sábado (10) acontece o último dia da II Flican. Às 19h, o tema Olhares e vertigens na memória coloca em destaque o trabalho do artista plástico Trípolli Gaudenzi, convidado que também é um dos homenageados desta edição pelas suas obras sobre Canudos, e do poeta e pesquisador José Aras, já falecido (1893-1979). Ele será evocado por Lina Aras, uma de suas descendentes.

Outro ponto forte serão os depoimentos memoriais que estão sendo apresentados ao longo da Flican, resgatando a história de luta e resistência dos antigos habitantes do lugar, e que prosseguem neste sábado. Dona Duru e Joselina Guerra falarão sobre os relatos que ouviram de seus antepassados. A programação dos depoimentos memoriais também terá a participação de Eldon Canário, que se apresenta na tarde de sexta, e que falará sobre o cotidiano da sua vida na segunda Canudos.

A II Flican é uma realização da Dona Edite Comunicação Integrada. O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Pedro Calmon (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal. Toda a programação da feira poderá ser conferida, gratuitamente, pelo público no canal Youtube do Campus Avançado da Uneb em Canudos e pela Canudos TV.

To Top
%d blogueiros gostam disto: