Justiça

Viúva de João Alberto, morto por segurança do Carrefour, recebe indenização de R$ 1,1 milhão

O Carrefour depositou, nesta 4ª feira (28.abr.2021), R$ 1,1 milhão à viúva de João Alberto, homem negro morto por 1 segurança e 1 policial militar na unidade do bairro Passo D’Areia, em Porto Alegre.

João Alberto foi espancado até a morte dentro do Carrefour em Porto Alegre (Arquivo pessoal)

O valor da negociação, que ainda está em aberto, foi depositado em uma conta para consignação extrajudicial. Os outros R$ 100 mil foram transferidos para a conta pessoal de Milena.

No início deste mês, Milena Borges Alves recusou indenização de mais de R$ 1 milhão oferecida pela empresa.

João Alberto morreu em 19 de novembro de 2020, depois de ser espancado pelos 2 homens. Na ocasião, ele era monitorado por funcionários do mercado, enquanto fazia compras com Milena. Uma agente de fiscalização do Carrefour disse à polícia que João era cliente da loja e que tinha atrito com alguns funcionários. A versão, no entanto, é controversa. Uma operadora de caixa, por sua vez, disse que nunca tinha visto a vítima até aquela data.

De lá para cá, o Carrefour vem tomando ações com o intuito de se retratar em relação ao ocorrido. O CEO da rede no Brasil, Noel Prioux, gravou um vídeo publicitário em que se desculpava pela morte de João e prometia adotar medidas para a promoção da diversidade.

No dia 2 de fevereiro de 2021, a empresa inaugurou oficialmente o site #NãoVamosEsquecer, que tem como proposta dar transparência à sua atuação diante do caso. O Carrefour diz que já fechou oito acordos com familiares de Beto Freitas que incluem os quatro filhos, o pai, a irmã, a enteada e a neta.

A empresa já chegou a afirmar que a viúva era a única parente que “vinha dificultando o consenso” e que o valor oferecido a ela “é bastante superior ao estipulado para indenização por morte de familiar pelo Superior Tribunal de Justiça”. (Fonte: Poder360).

To Top
%d blogueiros gostam disto: