Esporte

Atlético vence Bahia de Feira fora de casa e é campeão baiano 2021

Título inédito e mais do que merecido. O Atlético venceu o Bahia de Feira por 3×2 neste domingo (23), em plena Arena Cajueiro – mesmo com um homem a menos -, e ficou com o título do Campeonato Baiano de 2021. O jogo de ida, em Alagoinhas, havia acabado em 2×2.

Jogadores do Atlético comemoram um gol na partida (Foto: Paula Fróes/Correio)

Inédito não só para a história de 51 anos do Carcará, mas também para Alagoinhas. A cidade é apenas a terceira do interior baiano a conquistar o troféu, ao lado de Feira de Santana (Fluminense, duas vezes, e Bahia de Feira, uma) e Ilhéus (Colo Colo).

O jogo em detalhes

Atuando em casa, o Bahia de Feira começou melhor. Destaque para os velozes – e bons atletas – Pedro Neto e Thiaguinho avançando pelos lados do campo, além dos experientes Jarbas e Diones com liberdade para chegar ao ataque.

Aos sete minutos, Pedro Neto se livrou da marcação, foi à linha de fundo e cruzou na área. Deon ajeitou de cabeça e Thiaguinho chutou em cima da marcação. Aos nove, Pedro Neto recebeu nas costas da defesa e tocou para Bruninho, que foi bloqueado pela zaga.

Superior nos primeiros minutos, o Tremendão abriu o placar aos 18, numa infelicidade de Iran: após escanteio, a bola bateu nas costas do zagueiro do Atlético, que tentava evitar a subida de Eduardo, e acabou entrando no gol.

Mas Iran, um dos personagens dessa final, se redimiu logo em seguida. Aos 23, Dionísio cobrou falta lançando a bola na área e o zagueiro balançou as redes, de cabeça, dessa vez a favor do Carcará: 1×1.

Com o jogo empatado, o Bahia de Feira tentou, sem sucesso, avançar e envolver o adversário com passes rápidos. O Atlético aproveitou que o adversário atacava muito, conseguiu se defender bem e passou a ligar os contra-ataques em velocidade. Com isso, foi mais perigoso.

Atlético comemora o seu primeiro titulo estadual (Foto: Paula Fróes/Correio)

Num desses contragolpes, dois dos melhores jogadores deste Baianão apareceram para definir. Aos 44, Ronan lançou Dionísio em boa posição, que chutou da entrada da área e a bola bateu no braço de Wesley. Pênalti que, na cobrança, Ronan fez o quinto gol dele no estadual e se isolou na artilharia.

Não teve jeito

Mesmo com a vantagem no placar, o Carcará continuou mais perigoso no início do segundo tempo. Atento em campo, conseguia recuperar a posse no ataque e criar perigo. Aos seis minutos, em transição rápida, Dionísio arriscou de fora da área, mas a bola subiu demais.

Aos 15, um lance que tinha tudo para mudar o jogo: Gilmar, do Atlético, entrou com excesso de força, com pé alto, em Tico e recebeu o cartão vermelho após revisão do árbitro no VAR. De fato, mudou: o Carcará conseguiu se reinventar e ficar ainda mais firme em campo.

Prova disso foi a sequência vista desde os 23 minutos. Tico recebeu na direita, cortou para o meio e chutou para bela defesa de Fábio Lima. No encanteio, a defesa conseguiu afastar.

Logo após o tiro de canto, o Carcará avançou ao ataque. Ronan recebeu na entrada da área entre dois marcadores, se livrou deles e tocou para Paulinho, na direita, que cruzou rasteiro. Dionísio, na área, tocou cara a cara com Jean e fez o terceiro do Atlético.

O Bahia de Feira, naturalmente, foi para o tudo ou nada. Colocou um bom número de atacantes em campo, mas demorou para assustar. A chance mais clara após uma enxurrada de cruzamentos na área foi de Diones, aos 33, que chutou em cima da zaga.

O gol, realmente, só saiu aos 45 minutos, quando Ricardo cruzou para o meio da área, Fábio Lima saiu mal e Marcone Pelé cabeceou para um gol vazio: 3×2. Infelizmente para o Tremendão, não deu tempo de empatar. O Atlético resistiu nos sete minutos de acréscimo e ficou com a taça. O futebol baiano tem um novo campeão.

Bahia de Feira 2×3 Atlético de Alagoinhas (2º jogo da final do Campeonato Baiano 2021)

Bahia de Feira: Jean; Jarbas, Eduardo (Adriano Ferreira), Wesley e Alex Cazumba; Victor Salvador (Ricardo), Diones e Bruninho (Hugo Freitas); Pedro Neto (Tico), Deon (Marcone Pelé) e Thiaguinho. Técnico: Oliveira Canindé.

Atlético de Alagoinhas: Fábio Lima; Edson, Iran, Bremer e Radar (Paulinho); Willian Kaefer, Dionísio e Miller (Jerry); Ronan, Vitinho (Emerson) e Gilmar. Técnico: Sérgio Araújo.

Estádio: Arena Cajueiro, em Feira de Santana.
Gols: Iran (contra), aos 17, Iran, aos 23, e Ronan aos 46 minutos do 1º tempo; Dionísio, aos 23, e Marcelo Pelé, aos 45 minutos do 2º tempo.
Cartões amarelos: Diones, Marcone Pelé, Wesley e Jarbas (Bahia de Feira); Jerry, Dionísio e Miller (Atlético).

Cartão vermelho: Gilmar.

Arbitragem: Marielson Alves Silva, auxiliado por Alessandro Rocha de Matos e Jucimar dos Santos Dias.

(Fonte: Correio 24 horas)

To Top
%d blogueiros gostam disto: