Política

Exército contesta Bolsonaro e manda militar se vacinar, usar máscara e não divulgar fake news

O comando do Exército divulgou as diretrizes para o combate à Covid-19. Entre as orientações que os militares devem seguir, estão a vacinação para quem retornar ao trabalho presencial, o distanciamento, o uso de máscaras e a proibição de espalhar fake news sobre a pandemia.

Comandante segue as normas da ciência, sem “negacionismos”

O documento, assinado pelo comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, deixa claro que o objetivo é o retorno pleno de todas as atividades administrativas e operacionais e que isso é possível devido ao avanço da vacinação contra a Covid, desde que sejam respeitadas as normas sanitárias de estados e municípios, além das recomendações do Ministério da Saúde.

PROVA DE VACINAÇÃO – O comandante determina ações de proteção individual e a comprovação da vacinação para volta ao trabalho presencial, ações que vão contra pontos defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro, como a não obrigatoriedade da vacina.

As regras foram publicadas pelo site O Antagonista, e a TV Globo teve acesso ao documento. São 52 pontos. Entre eles, o Exército determina que os militares e os servidores civis que retornarem de viagem internacional, a serviço ou privada, ainda que não apresentem sintomas relacionados à Covid-1 deverão realizar o teste molecular (RT-PCR) até 72 horas antes do embarque.

Para as ações de campo, como as de forças-tarefas humanitárias, e nas operações de faixas de fronteira, estabelece que é preciso continuar adotando medidas de prevenção à contaminação pelo coronavírus, recomendado o distanciamento social, o uso de máscaras e a higienização das mãos. O Exército trabalha, por exemplo, na acolhida de refugiados da Venezuela, em Roraima, e também acompanha o trabalho de vacinação de indígenas.

PRESSUPOSTOS – O documento reforça que pode haver o retorno às atividades presenciais, desde que respeitado o período de 15 dias após imunização contra a Covid-19. Os casos omissos sobre cobertura vacinal deverão ser submetidos à apreciação do DGP (Departamento Geral do Pessoal), para adoção de procedimentos específicos;

O comandante-geral determina ainda que será avaliada a manutenção das missões internacionais ainda não iniciadas e, também, a realização de seminários, palestras, solenidades, confraternizações que impliquem na aglomeração de pessoas

Proíbe que os militares divulguem nas redes sociais qualquer informação sobre a pandemia sem antes confirmar a fonte e checar se ela é verdadeira, ou seja, não pode divulgar fake news. E a prestação de informação falsa sujeitará o militar ou o servidor às sanções penais e administrativas previstas em lei. O documento diz ainda que os militares devem orientar os parentes a agirem dessa mesma forma. (Giovana Teles e Hamanda Viana /TV Globo – Brasília).

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGConforme temos destacado aqui na Tribuna, sempre com absoluta exclusividade, o Exército jamais compactou com os sonhos golpistas de Bolsonaro nem apoiou suas teorias negacionistas. Em tradução simultânea, podemos confiar no Exército. Em Bolsonaro, jamais. (C.N.)

To Top
%d blogueiros gostam disto: