Educação

Coité: Conheça Raniere, que com nota do Enem passa em Medicina da UFBA

Raniere Oliveira da Silva, 18 anos, morador do Povoado de Riacho da Serra, município de Conceição do Coité, no Território do Sisal, há 218 km da capital Salvador.

Nossa equipe entrou em contato com Raniere, e sua história nos cativou, e agora conheceremos um pouco sobre quem é Raniere e sua história que nada mais é que uma trajetória de perseverança e resiliência. Ele foi aprovado em Medicina na Universidade Federal da Bahia (UFBA) com a nota do Enem. Ele obteve 960 pontos na sua redação. Conheça um pouco da história de vida de Raniere.

Por ser de baixa renda, morar em Salvador é, ainda, uma possibilidade distante.

Apoie Raniere a realizar o sonho de cursar medicina

“Eu espero contar com o apoio e a solidariedade dos meus conterrâneos. Até aqui, agradeço imensamente aos que me ajudaram e peço que, se possível e se você puder, me ajude a realizar meu sonho, ajude-me a ser um médico de extrema qualidade. Prometo que, no futuro, irei retribuir todo o carinho e apoio com um atendimento humanizado, de qualidade, enxergando o paciente não como um problema cotidiano, mas como um ser humano necessitado de cuidados, de atenção médica. Eu quero ser um exemplo de que, mesmo diante das dificuldades, podemos lutar contra tudo e conseguir realizar o nosso maior sonho. Não podemos nos calar perante as desigualdades sociais. Estudar foi a minha maior munição contra todo esse sistema desigual, afinal, um povo que lê, que estuda, jamais será vítima de alienação, de manipulação social.”

Determinação e Estudo = Objetivo traçado

Estudante de escola pública, sempre foi um aluno dedicado e determinado em tornar a sua vida menos dolorosa do que sempre foi. Menino de família humilde, mas que com esforço da sua mãe e amigos da comunidade nunca faltaram-lhe o mínimo. “percebi o meu gosto pelo estudo e pelos livros. À época, eu fui o primeiro da turma a aprender a ler, fato este que me proporcionou confiança para perseguir na minha caminhada rumo ao meu grande sonho, que eu só teria conhecimento no futuro: o sonho de ser médico”, partilhou feliz com a gente.

Fraternidade, Resiliência e a importância do Incentivo

Raniere dividiu com a gente muitos dos momentos difíceis que enfrentou ao lado daqueles que compunham a sua família e da importância da ajuda de todos no período.

“Quando criança, eu morei com a minha avó, agora já falecida, até os 8 anos de idade. Esse período foi desmanchado por problemas familiares e financeiros, que forçou minha mãe e eu a nos mudarmos até a nossa presente casa, que fica na sede do povoado de Riacho da Serra. Uma moradia simples, mas que nos proporcionou abrigo. Naquele período, em meados de 2011, recebemos ajuda dos populares da comunidade. Sem isso, provavelmente, teríamos passado fome.”

Ele descreveu pra gente, a força da sua mãe e quanto ela trabalhou duro em casas de família para poder sustentá-los, juntamente com seu padrasto, pois como trabalhador rural, apenas consegue ganhar o dia (trabalho que é estipulado em valor por dia/hora) com “bicos” nas roças de alguns agricultores da região.

Dedicação e Esforço

“Eu sempre demonstrei vontade de aprender e nunca quis decepcioná-la em nada, pelo menos em relação a isso.”

Aluno da Escola Durvalina das Mercês Alves, localizada no povoado de Riacho da Serra, foi concluir seus estudos no Colégio Estadual Hamilton Rios de Araújo, localizado no distrito de São João, também município de Coité/BA. “Lá tive a oportunidade de conhecer professores fantásticos, que sempre me apoiaram e demonstraram confiança no meu potencial.”

Dividir conhecimento, levou Raniere ao aprimoramento

“Por ter maior facilidade em aprender novos conteúdos, eu pude ajudar meus colegas em matérias das quais eles tinham maiores dificuldades, como Inglês, Redação e Matemática. Por essas razões, ao ensinar, pude aprender mais.”

Driblando a Desigualdade Social

Em 2020, no ano em que ele deveria ter se formado no ensino médio, chegou à pandemia da Covid-19, ele dividiu com gente um pouco do seu dilema “eu senti na pele, ainda mais, os efeitos que as desigualdades sociais têm. Devido à pandemia, os trabalhos rurais ficaram cada vez mais escassos e perdemos a nossa única e pequena fonte de renda. A única coisa que nos salvou naquele momento foi o auxílio emergencial disponibilizado pelo governo, mediante o extinto Bolsa Família. Além disso, as aulas foram remotas e meus colegas e eu não tivemos a oportunidade de aprender de forma adequada. Por eu não ter acesso à Internet em casa, já que os custos estão acima das minhas condições financeiras, recorri ao diretor do Colégio para que ele me ajudasse com o empréstimo dos livros de todos os anos do ensino médio. Com isso, pude aprender mais e usar os poucos recursos que tinha para continuar a minha caminhada.

Disciplina e Foco

Sem acesso à internet, Raniere ia no povoado baixar as videoaulas do YouTube, onde professores brasileiros proporcionam gratuitamente. Dessa maneira, ele pode ter maior acesso aos conteúdos gratuitos que iriam alavancar o aprendizado.

Superando a depressão

Raniere diz que sentia com dores de cabeça, crises de ansiedade, insônia e sintomas referentes à depressão, foram alguns dos principais problemas enfrentados, além, é claro, da falta de recursos financeiros.

“Meu medo era não ser suficiente, de ser incapaz de realizar meus sonhos. Afinal, a minha realidade era e é diferente da de muitos estudantes que eu vejo nas redes sociais, os quais possuem computadores avançados, tabletes e acesso a cursinhos de extrema qualidade, enquanto eu estudava apenas com meu celular, com pouco acesso à Internet. Mesmo assim, eu não desisti. Eu persisti na luta!”

Aprimorar conhecimentos e persistir

Com foco na redação e nas matérias em que tinha maior dificuldade, a fim de obter um bom resultado. Raniere nos fala que mesmo com todo o esforço, não conseguiu ser aprovado no Enem 2020, pelo menos não no curso que eu queria, que era medicina. Sendo assim, ele decidiu mudar suas técnicas de estudo.

Ele queria assinar um curso on-line, mas o preço não permitiu sonhar tão alto. Mais a desigualdade o querendo impor limites. Mas de uma coisa ele tinha certeza: não podia desistir. Tornou sua obrigação continuar lutando; não poderia deixar que todas essas dificuldades o impedissem de realizar meu sonho.

Criando a própria rotina de estudo

“Eu estudei por cerca de 5 ou 6 horas todos os dias, tentando aprender todos os conteúdos possíveis até o Enem, no entanto, uma coisa me atrapalhava durante toda a minha preparação: o medo de não conseguir me manter em Salvador, cidade na qual o curso de medicina da UFBA é ofertado. Isso me atrapalhou durante um tempo, e eu pensei em desistir inúmeras vezes. Mas eu não desisti. Eu fui à luta, eu estudei. Mesmo na chuva, eu tentava ir na rua baixar minhas aulas do dia. Mesmo quando faltava energia, eu lia pelo menos alguns resumos no caderno, sempre tentando não procrastinar. Eu queria o oposto da procrastinação, queria resultados.”

A história de Raniere é pautada em muita perseverança, determinação e solidariedade

Ele nos fala como auxiliar gratuitamente alguns estudantes do Enem na redação, como as correções voluntárias, davam-no foco no seu objetivo, pois podia aproveitar para estudar enquanto ensinava. Todo esforço deu resultado.

“Eu consegui uma excelente nota no Enem, principalmente na redação, que tirei 960 pontos. Todas as dificuldades emocionais que enfrentei foram, em parte, superadas. Recebi a comprovação de que fui aprovado em Medicina na Universidade Federal da Bahia (UFBA) com a nota do Enem. Ser aprovado não foi fácil, e eu tenho certeza de que a trilha até o diploma também não será.”

Por Darli Alves/Interior da Bahia

To Top
%d blogueiros gostam disto: