Especial

Capela: “A vida do capelense em São Paulo”, Elielson do Contorno

Há décadas que o sertanejo migra para o estado de São Paulo e para a região sul do país, em busca de uma melhor qualidade de vida, isso ocorre muitas vezes devido a falta de oportunidade de emprego na nossa região.

Com o capelense não é diferente, o Interior da Bahia ouviu Elielson Souza, mais conhecido como Sorriso, que é natural do povoado de Contorno, e há 11 anos saiu de sua terra em busca de seus objetivos em solo paulista, ele nos falou sobre as dificuldades, o caminho a ser seguido e nos contou um pouco sobre a saudade da sua terra natal.

O que o fez sair da sua terra natal rumo a outro estado?

“Na minha época dos anos 1990 as coisas eram difíceis, a nossa região não tinha recurso a oferecer a juventude e até hoje este recurso ainda é muito difícil, a gente que sonha ter algo na vida temos que correr atrás, eu estudei no povoado de Contorno, depois passei para Capelinha, Capela, e logo em seguida após eu formar veio em meu pensamento, a necessidade de ir à busca dos meus sonhos e objetivos, a opção era deixar a minha terra natal e partir rumo ao estado de São Paulo”.

Américo Brasiliense, um dos principais destinos do capelense em São Paulo.

Como é chegar pela primeira vez em um lugar totalmente diferente do que é a nossa região?

“Mim lembro quando sair pela primeira vez de Capela em 2011, a dificuldade que passei, vim para Américo Brasiliense, não conhecia nada, foi a primeira vez que sair pra longe, não foi fácil e tenho acompanhado muitos jovens que trilham o mesmo caminho e alguns infelizmente acabam passando por muitas dificuldades, muitos jovens saem da nossa região com um sonho, sem pensar no que pode encontrar ao chegar ao destino, não é fácil sair de casa com uma meta e ao chegar não ter onde passar a noite tenho presenciado cenas de partir o coração, situação de colegas meus sair, entrar numa vã e chegar aqui não ter onde passar a noite, eu graças a Deus estou adaptado, e tenho abrido minhas portas pra apoiar muitos jovens da nossa região que chegam por aqui”.

Como os jovens costumam idealizar a vida longe de casa e como ela realmente é?

“Às vezes quem nunca saiu acha que vai pegar sua mala chegar ao destino e vai estar tudo bem, mais não é bem assim, inclusive às vezes nós nordestinos somos tidos como preguiçosos, infelizmente ainda há este preconceito, mas mesmo apesar disso tudo, não podemos abaixar a cabeça”.

O que fazer para ter resultados positivos na empreitada de ir para outro estado?

“Antes de sair faça um planejamento, tenha contato com alguém que esteja aqui no estado, pois não é fácil ficar perdido e ai vem asa dificuldades, que o jovem ao sair saia com um objetivo, uma meta, que ao chegar que busque a ser aquele trabalhador comprometido responsável que busque se capacitar, que venha com esse foco”.

Quais as coisas que te trás saudade da sua terra natal?

“O que mim deixa com mais saudade são todas as coisas, tudo que acontece por ai mim trás aquele sentimento de nostalgia, mas em primeiro lugar estar à saudade da minha família, aqueles momentos em que estamos pra baixo, gostariam muito de estar do lado dos irmãos, e dos amigos.”

“Além disso, claro, os eventos culturais, o samba, torneios de futebol, festival de viola, o São João, festas de cavalgada, inclusive agradeço muito o avanço da tecnologia que mim faz sentir em casa, através da tecnologia tenho acompanhado os eventos culturais que por ai acontecem”.

“O que mais mim deixa triste é estar trabalhando e de repente receber algum comunicado de que algum ente querido ou amigo faleceu e muitas vezes não ser possível estar presente pra dar ao menos um último adeus”

Pra finalizar Elielson também nos falou sobre a vontade de um dia voltar a sua terra natal:

“Se passaram 11 anos, mais nunca me esqueço da minha terra há qual um dia retornarei, sou muito grato ao estado de São Paulo e a cidade de Américo Brasiliense onde graças a Deus sou bastante conhecido, mais um dia retornaria a minha terra natal”.

Por Alan Rodrigues/Interior da Bahia

To Top